TVI: Ministério Público acusa membros dos No Name Boys de 261 crimes violentos

TVI: Ministério Público acusa membros dos No Name Boys de 261 crimes violentos
Redação

Tópicos

37 adeptos da claque do Benfica estão na lista. Seis deles aguardam julgamento em prisão preventiva ou domiciliária

O Ministério Público acusou já esta semana 36 homens e uma mulher, membros dos Casual, a ala mais radical dos No Name Boys, claque do Benfica, por 261 crimes como homicídio qualificado na forma tentada, atentado à segurança de transporte rodoviário, ofensas à integridade física, furto e dano. A notícia é avançada pela TVI, que terá tido acesso a um despacho do DIAP de Lisboa, onde constam 11 episódios de violências. Seis dos acusados aguardam julgamento em prisão preventiva ou domiciliária.

Os acusados, entre os 20 e os 40 anos, respondem pelos grafitis insultuosos na casa do então treinador Bruno Lage, por agressões a adeptos do Sporting, FC Porto e a agentes da autoridade. São crimes praticados entre 2018 e 2020, que fizeram mais de duas dezenas de vítimas, entre atletas, adeptos de clubes rivais e polícias. O apedrejamento do autocarro do Benfica, em plena A2, depois da derrota na Luz frente ao Tondela, é um dos crimes que consta no despacho, onde se destacam as perícias que apanharam trocas de mensagens para planear o ataque que acabou por ferir Zivkovic e Weigl devido aos estilhaços dos vidros partidos.

São apresentados ainda casos de agressões a três adeptos do Sporting junto ao estádio de Alvalade e o esfaqueamento de outro adepto sportinguista no Estoril, tudo em maio deste ano.

O Ministério Público destaca, segundo a TVI, a premeditação dos crimes e acrescenta: "Este grupo (casuals) caracteriza-se pela violência física que exerce sobre adeptos de claques de clubes rivais. As façanhas conseguidas são simbolizadas com a subtração de adereços de claques rivais, tais como camisolas e bonés que levam consigo como troféus".