Portugueses extraordinários - 6.º lugar: Félix da Costa, a qualidade estava lá

Portugueses extraordinários - 6.º lugar: Félix da Costa, a qualidade estava lá
Carlos Flórido

Tópicos

O JOGO selecionou 12 atletas e equipas como autores das maiores proezas do ano e os leitores votaram nas suas preferidas em www.ojogo.pt. António Félix da Costa (automobilismo) ficou no sexto lugar, com 6,5 por cento dos votos.

Com uma carreira internacional desde 2008, brilhou na Fórmula Renault (campeão, à frente de Kevin Magnussen), na GP3 e chegou a piloto de testes da Red Bull, quando esta dominava a Fórmula 1 com Sebastian Vettel. Na hora de dar o último salto, a equipa preferiu o russo Daniil Kvyat, num ano (2014) em que o Grande Prémio do seu país era a novidade na F1. António Félix da Costa ainda passou pelo DTM (com um triunfo), mas depressa descobriu o futuro numa nova disciplina, a Fórmula E. Seis anos depois, os monolugares elétricos atingiram o auge e o português... reinou.

Com 12 equipas e 24 pilotos, a Fórmula E está recheada de gente que já passou ou ainda tenta entrar na Fórmula 1. Este ano competiram dez construtores automóveis, uma raridade nestes tempos, e a época, tendo as corridas no centro de cidades, levou um sério abalo com a pandemia. Com cinco provas realizadas normalmente até fevereiro, foi decidido fazer mais seis num aeroporto alemão, em regime concentrado. Félix da Costa já liderava antes da paragem, com um triunfo e dois segundos lugares, mas regressou imperial: mais dois triunfos, um segundo e um quarto lugares valeram-lhe o título por larga margem.

Tendo mudado este ano da BMW para a DS Techeetah, que já era a equipa campeã, o piloto de Cascais percebeu que mesmo num campeonato equilibrado o carro... ajuda. E espera que isso se mantenha. "Estou a divertir-me a guiar e vai ser essa a abordagem. Se ganhar, porreiro, se perder volto a tentar no ano seguinte", diz, sobre uma pressão que aprendeu a aliviar com um psicólogo de desporto. Embora de novo falado para a F1, Félix da Costa diz ter fechado esse "capítulo" e, fora da Fórmula E, só continuará a desviar atenções para o Mundial de Resistência, no qual este ano foi terceiro nos LMP2. Ganhar as 24 Horas de Le Mans é um sonho que ainda tem para concretizar.

Feito em 2020
Campeão da Fórmula E e terceiro no Mundial de Resistência

Ambição para 2021
Bisar no Mundial de Fórmula E