Megaoperação do Fisco e da Polícia em Espanha aponta à Doyen

Megaoperação do Fisco e da Polícia em Espanha aponta à Doyen

Investigação levou autoridades a várias províncias espanholas. Entre as transferências investigadas está a transferência de Radamel Falcao para o Atlético de Madrid.

A polícia e a autoridade tributária espanholas avançaram esta manhã, simultaneamente, em várias províncias do país, com uma megaoperação resultante de uma investigação que dura há cerca de um ano e meio e que tem o foco na Doyen Sports, fundo de investimento relacionado com a transferência de jogadores de futebol.

Nesta investigação, a Doyen aparece como suspeita de fraude fiscal, delito avaliado em cerca de cinco milhões de euros e correspondente a negócios com data de 2013. Segundo a edição online do jornal El Mundo, o seu administrador, o português Nélio Lucas, está no epicentro da movimentação da Unidade Central de Operações da Guardia Civil e da Agência Tributária espanholas. Também sob o foco das autoridades estão, entre outros, dois empresários com ligações ao fundo: os ex-futebolistas do Atlético de Madrid Juanma López e Mariano Aguilar.

Para o El Mundo, trata-se de uma investigação com base nos documentos expostos pelo Football Leaks, plataforma de que Rui Pinto se assume como colaborador, e que hoje foi notícia graças ao pedido das autoridades portuguesas junto da Justiça húngara para que estenda o Mandado de Detenção Europeu no processo em que o denunciante português é investigado por alegados crimes contra a Doyen e o Sporting.

Para o juiz do processo que originou a operação espanhola, a Doyen "ter-se-á servido de uma complexa estrutura para ocultar à Fazenda espanhola" as suas atividades naquele país e não apenas em Malta, onde o fundo esta sedeado. Parte da investigação, ainda segundo o mesmo periódico, está centrada nos chamados contratos de propriedade de terceiros (TPO - Third Party Ownership), proibidos pela FIFA desde 2015, os quais permitiam que fundos como a Doyen adquirissem direitos da venda de futebolistas a troco de um empréstimo prévio aos clubes.

Segundo informações tornadas públicas pela Audiência Nacional espanhola - tribunal com jurisdição nacional -, estão ainda em causa a transferência de Radamel Falcao para o Atlético de Madrid e a assistência da Doyen a essa operação, a transferência de Guilavogui para aquele emblema da capital espanhola, assim como um empréstimo de 2,5 milhões de euros associado à mesma, a compra de direitos económicos de vários jogadores do Sporting de Gijón e a aquisição de percentagens dos direitos económicos dos jogadores Miroslav Stepanovic, Kondogbia e Babá, entre outros.

As investigações, segundo a imprensa espanhola, apontam ainda para a suspeita de os dois empresários acima referidos, enquanto representantes da Doyen em Espanha, terem defraudado o Fisco ao manterem ficticiamente as suas residências fiscais noutros países.

Ainda segundo o El Mundo, que pertence ao consórcio de Imprensa mundial que publicou as denúncias expostas pelo Football Leaks, a Audiência Nacional informou ter solicitado mais informação relacionada com este processo ao Getafe, Atlético de Madrid, Sevilha, Valência, Granada, Cadiz, Sporting de Gijón, Elche, Real Federação Espanhola e Liga, embora referindo que nenhuma destas entidades está sob investigação.

(Atualizada e corrigida)