Transferência de Bruno Fernandes para o Manchester United vai parar à FIFA

Transferência de Bruno Fernandes para o Manchester United vai parar à FIFA
Rui Miguel Gomes/Rafael Toucedo

Tópicos

Sampdória avançou com declaração junto do organismo que tutela o futebol mundial.

Está prestes a iniciar-se mais uma frente de disputa jurídica da SAD do Sporting, liderada por Frederico Varandas, desta feita tendo como opositor a Sampdória.

Tudo porque o departamento jurídico dos leões tem vindo a estudar a possibilidade de não liquidar os 10% de mais-valias inerentes ao acordado com o emblema italiano no momento da transferência do internacional português para Alvalade, em 2017, isto porque alega que o antigo capitão de equipa rescindiu esse contrato em 2018 e assinou um novo, perdendo assim a obrigatoriedade de liquidação de cerca de 4,6 milhões de euros. Ora, a Sampdória tem um entendimento diferente daquele que os leões têm vindo a explorar e avançou mesmo para a FIFA.

"Confirmamos que a 3 de abril de 2020, o clube italiano Sampdória avançou com uma declaração para a FIFA contra o clube português Sporting, relacionado com obrigações financeiras contratualizadas, correspondentes à transferência do jogador Bruno Fernandes", afiançou um porta-voz do organismo que tutela o futebol mundia, citado pelo Manchester Evening News.

Os dois clubes têm vindo a conversar sobre o seu posicionamento, mas a ausência de um entendimento levou a formação de Génova a avançar com medidas mais drásticas. Ora, num momento de aflição financeira para muitos clubes face ao que tem sido a pandemia covid-19, os dirigentes da Sampdória têm feito valer junto do Sporting a necessidade de liquidar a verba em causa devido aos compromissos que têm, ainda que esbarrem sempre no argumento de o derradeiro contrato de Bruno Fernandes com os leões ter sido rubricado quando este era uma atleta livre.

Recorde-se que o Sporting adquiriu Bruno Fernandes em 2017 à Sampdória por 8,5 milhões de euros, além de 10% de mais-valia em futura mudança, e foi transferido em janeiro último por 55 milhões de euros, enquanto componente fixa, além de 25 milhões de euros por objetivos que podem ser alcançados mediante feitos individuais e coletivos.