"Quando renovei o contrato do Jovane, queria uma cláusula de 120 milhões"

"Quando renovei o contrato do Jovane, queria uma cláusula de 120 milhões"

Sousa Cintra renovou contrato com Jovane Cabral até 2023 e o então presidente do Sporting conta que queria uma cláusula de rescisão de 120 milhões de euros.

Jovane Cabral tem sido um dos jogadores mais influentes do Sporting desde a retoma do campeonato e Sousa Cintra, antigo presidente dos leões, não está surpreendido com o bom momento de forma do avançado. O dirigente renovou o contrato do futebolista em 2018 e conta que queria uma cláusula de rescisão de 120 milhões de euros.

"O Jovane é uma mais-valia para o Sporting. É um grande talento. Um grande jogador. Nunca tive dúvidas. (...) Fiquei encantado com o Jovane. Quando estava a assinar a renovação de contrato com ele, eu queria por uma cláusula maior, eu queria por 120 milhões. Mas os empresários não foram na conversa", refere Sousa Cintra em declarações à TSF.

No dia em que assinou contrato - até 2023 -, o português, nascido em Cabo Verde, disse a Sousa Cintra que iria ser melhor do que Figo e Ronaldo e o ex-líder do Sporting recorda essa conversa."Disse-lhe na altura: 'Olha Jovane, estás a ver aqui o Figo ou o Ronaldo, tu vais ser tão bom como eles'. E ele respondeu-me: 'Não, presidente. Vou ser melhor'".

"Recentemente ouvi falar que o Sporting queria dispensa-lo ou vende-lo. Até fiquei indiganado. Pensei, mas como é que é possível deixarem sair um talento como este?", finalizou Sousa Cintra.