A primeira entrevista de Frederico Varandas como presidente

A primeira entrevista de Frederico Varandas como presidente

Novo presidente dos leões concedeu entrevista à Sporting TV

Emoções: "Foi um dia de grandes emoções. Um dia especial, em que sempre acreditei e estava convicto que a minha equipa sairia vencedora. Sou pessoa muito determinada e sigo o meu instinto. Era fé. Sabia que íamos vencer. É um dia com grande significado para mim. Nasci Sporting, cresci Sporting, não sou o Sporting."

Significado dessa frase: "O meu dever é servir o Sporting, por num patamar superior. Mexe nas emoções. Não é um simples trabalho. Como diretor clínico era profissional, racional quando tinha de tomar decisões, mas depois estava o coração. Chegar a presidente, algo que nunca imaginei, não era desejo pessoa, penso na responsabilidade. Foi um dia cheio de emoções. Falei com o meu avô, que já não está connosco há cinco anos, e disse-lhe que não o iria desiludir. Se ele me respondesse diria: "vê lá o que vais fazer..."

Mudança como presidente: "Não vou misturar Sporting com a família. São assuntos sérios. Já passei por muitas missões militares e esta é a missão mais importante da minha vida. Não tenho dúvida de que estou preparado para tal. Tenho equipa que me dá conforto e segurança. A minha vida mudou. Tenho grande responsabilidade. Todos os minutos do meu dia represento o Sporting e todos os sócios. Tenho de ter o máximo de dignidade e sentido de Estado."

O dia seguinte às eleições: "Acabou-se a festa. Começar a trabalhar. Falei com treinador, secretário técnico, com todas as pessoas para organizar dia de amanhã. Começo o dia bem cedo. Não posso ser presidente 24 horas por dia. Tenho de dormir e fazer desporto. E depois começar a trabalhar cedo. Já tive reunião com Miguel Albuquerque. Amanhã à tarde vou para a SAD reunir com treinador e estrutura de futebol. na terça-feira vou fazer reunião com todos os funcionários. Conheço bem a estrutura."

Reação à vitória: "Preparei-me para o melhor e para o pior. Estava fortemente convicto que ia vencer. Quando tocou o telefone a dizer-me que era o futuro presidente do Sporting, o coração disparou. Aí senti-me com o peso da responsabilidade. Sou pessoa responsável. Senti alegria enorme, mas comecei logo a pensar no que tinha de fazer. Tudo o que tenho feito na vida, tem acontecido demasiado cedo, mas isso é porque sigo sempre a paixão. O verdadeiro sentido na vida é sentirmos o que faz acelerar o coração. Para mim é uma missão e vou cumpri-la."

Porque é que é a missão mais importante: "Porque é o Sporting. Arrepio-me. Fui sete anos diretor clínico. Uma pessoa habitua-se aos jogos. E depois deixa-se de dar valor às coisas. Com o Sporting nunca me aconteceu. Ainda sinto esse entusiasmo e espero sentir até ao último dia da minha vida. Uma pessoa é competente quando faz o que realmente é apaixonado pelo que faz. Sou apaixonado pelo Sporting. É a missão mais especial porque Sporting significa muito para mim e minha família e 3,5 milhões de adeptos. Acredito que é possível por o Sporting lá em cima."

Palavras chave da campanha: "Fomos uma equipa realmente independente. Não negociei nada para ser mais fácil chegar lá. Se perdesse, perdia com a minha equipa, mas queria chegar lá com quem confiava. Não abdico da competência e da lealdade. Não basta ser competente. Independência, resistência, resiliência e superação foi o que defendi na campanha. Sou muito exigente comigo mesmo. Acho sempre que podíamos ter feito mais. Vou exigir o máximo de todos, funcionários, treinadores, atletas. Vou dar-lhes condições para poder exigir o máximo. Dar-lhes confiança, tranquilidade, segurança para fazerem o seu trabalho."

Medalha da Taça de Portugal: "Tenho um museu no escritório de coisas que vou colecionando. A medalha da Taça de Portugal nunca a pus lá. Guardei-a numa gaveta fechada. Ontem quando estava a preparar-me para ir para a sede, sem saber os resultados, tirei a medalha e pus no bolso. Hoje estou aqui graças àquela medalha. Vai ficar comigo até - espero que seja já este ano - o Sporting seja campeão de futebol. Essa medalha vai para o museu com a Taça. Foi a gota de água que me fez chegar aqui. Guardei aquela medalha e disse: 'hoje vens comigo'."

Promessa de título. "Não seria justo para os sócios se não dissesse o que acredito. Quero ser campeão, acredito que Sporting vai ser campeão. Não sei quando, mas sei. Da mesma maneira que à tarde, quando fui falar com o meu avô, sabia que ia ser presidente. Estava tranquilo. Disse que nunca teria menos de 40% e enganei-me. Tivemos mais de 40%. Ontem começámos a vencer o adversário mais terrível que tivemos: Sporting fragmentado. Estou preparado para unir o Sporting. A liderança mais forte é a liderança pelo exemplo. Enquanto presidente se conseguir unir qualquer sócio, então qualquer um tem de conseguir. Quero Sporting livre, não quero controlar comentadores. Quero direito à opinião. Peço críticas construtivas, aprendi com críticas que ouvi na campanha. Aquelas pessoas que estavam à volta dos candidatos, são simplesmente sportinguistas que acreditavam no melhor para o Sporting diferente do que eu via. Nada mais que isso. São sportinguistas como eu. Não distingo ninguém agora. Lista A, do João Benedito, faz-me ter ainda mais responsabilidade. João foi grande atleta, faz parte da história do Sporting e Sporting precisa do João por perto. Precisamos dos grandes atletas, de ter os seus heróis dentro de casa. Eu sou apenas um presidente, estou de passagem. O João é um grande atleta do Sporting."

Diferença para conseguir percentagem de votos: "Reuni uma grande equipa, que deu a cara. Fico orgulhoso por termos reunido estas pessoas. Foi isso que sportinguistas viram. Acho que reuni equipa que dá tranquilidade aos sócios, porque me dá a mim."

Mensagem junto de grupo de trabalho de futebol: "Vou agradecer-lhes por receber o clube em primeiro lugar. Ao treinador, à estrutura, jogadores. A todos. Sei que é um grupo. Quem já esteve no futebol sabe que é preciso ter o grupo saudável para ganhar. Sem isso não acredito em grandes vitórias. Assumir o futebol é isso, garantir que o grupo esteja saudável. Essa é a minha responsabilidade. Se remarmos todos para o mesmo lado, estamos mais perto da vitória."

Estrutura do futebol: "Entra já em funções. Pessoas chegam só em janeiro por questões contratuais. Mas Beto e Manuel Fernandes começam já esta segunda-feira."

Unidade de perfomance. "Espero que João Pedro Araújo esteja cá em outubro. Depois vamos organizar a Academia completamente. Vamos demorar algum tempo a organizar a formação, mas vamos começar a implementar tudo o mais rápido possível."

Modalidades: "Aí a estrutura é fácil. A maioria do pessoal já temos no clube. Podemos reforçar pontualmente com alguém. Mas à partida temos os recursos humanos necessários. Já troquei várias mensagens com Miguel Albuquerque para o plano de trabalho. Entendemo-nos muito bem por isso."

Presença na tribuna a ver andebol: "Acelerou o coração. Nunca tinha imaginado. Era uma coisa surreal. Quero dar palavra ao futebol feminino, que perdeu nos penáltis. Temos ganho sempre e vamos continuar. Venham para Lisboa com confiança. Temos muito para ganhar."

Mensagem aos sócios: "Peço para vencermos de vez o nosso adversário: a fragmentação do Sporting. Temos todas as condições para batermos os nossos rivais, mas a primeira é estarmos unidos. Posso ser o General mais competente, mas se os soldados não forem unidos nas trincheiras, perdemos sempre. Peço que ponham os interesses do Sporting acima dos seus. Confiem em mim, sei o que estou a dizer. Preciso de todos. Todos juntos é muito difícil pararem-nos. Peço que encham os pavilhões, os estádios. Sporting vai crescer. Vamos galgar obstáculo atrás de obstáculo até chegarmos ao primeiro lugar."