Boly: um caso de sucesso que pode ser jackpot de verão

Boly: um caso de sucesso que pode ser jackpot de verão
Carlos Gouveia

Tópicos

Central é titular indiscutível no Wolverhampton de Nuno Espírito Santo. Está bem encaminhado para subir de divisão e render vários milhões à SAD.

Boly custou 6,5 milhões de euros ao FC Porto no último dia do mercado de verão de 2016, sendo o reforço que Nuno Espírito Santo recebeu para o centro da defesa de um plantel que tinha apenas Marcano e Felipe, acabado de chegar do Corinthians. O francês fez apenas oito jogos e não justificou o investimento. Agora está em Inglaterra, com o mesmo treinador, e a valorizar-se, podendo até dar lucro no verão. É um dos casos de sucesso entre os 19 jogadores que o FC Porto cedeu esta temporada e que passamos aqui em revista.

Primeiro, Boly. O central de 26 anos é titular indiscutível, marca golos e até faz assistências, contribuindo para a brilhante época que os Wolves estão a realizar no Championship. A subida de divisão está bem encaminhada e por isso faz sentido que acompanhe a equipa na próxima época, já que os ingleses têm a opção de compra do passe. Os detalhes nunca foram oficialmente divulgados, mas em Inglaterra fala-se que pode chegar aos 12 milhões de euros, ou seja, quase o dobro do que custou. Um valor alto para Portugal, mas perfeitamente ao alcance de qualquer emblema inglês. Aliás, o Wolverhampton pagou 16 milhões ao FC Porto por Rúben Neves...

Boly arrancou a época no onze, sendo totalista nas cinco primeiras jornadas. Depois, por lesão, esteve afastado das opções de Nuno, voltando em grande no final de outubro. Desde então jogou sempre, fez dois golos e uma assistência, tendo já ultrapassado os mil minutos de utilização. Mesmo que não renda os tais 12 milhões de euros, poderá pelo menos abater o que custou.

Mikel e Omar Govea são outros emprestados que têm aproveitado bem a época no Bursaspor e no Mouscron, respetivamente. O mexicano é, aliás, o que mais minutos tem de utilização, se descontarmos Quintero, já que as contas do colombiano são desde janeiro. A continuarem assim, a SAD portista poderá também realizar encaixes financeiros interessantes com estes médios ou até fazer regressar algum deles.

No polo oposto do rendimento, Raúl Gudiño (APOEL), Inácio (Portimonense), Rafa Soares (Fulham) e Rui Pedro (Boavista) são os jogadores cujo empréstimo não tem ajudado ao seu crescimento e/ou valorização. Ainda que no caso do lateral-esquerdo que está nos algarvios, uma lesão grave o tenha afastado dos relvados até à passada semana.