Jorge Henriques é o novo diretor-desportivo da W52-FC Porto: conheça-o melhor

Jorge Henriques é o novo diretor-desportivo da W52-FC Porto: conheça-o melhor
Carlos Flórido

Tópicos

Responsável da Academia Efapel vai regressar como diretor-desportivo ao escalão maior, depois de longa carreira na formação.

Jorge Henriques, de 53 anos e natural de Válega, Ovar, é o novo diretor-desportivo da W52-FC Porto e terá Valter Sousa como seu adjunto.

O até agora responsável da Academia Efapel, onde orientava perto de uma centena de jovens, vai ter a tarefa de recolocar os portistas na estrada - a próxima competição é a Volta a Albergaria, no dia 15 -, depois de uma ação da Polícia Judiciária ter deixado Nuno Ribeiro proibido de exercer e de contactar os ciclistas, tal como o seu adjunto, José Rodrigues.

"Os ciclistas dizem que estão limpos e que não haverá novidades nos testes a que foram submetidos. Continuo a acreditar neles e por isso a equipa irá continuar", disse Adriano Quintanilha, presidente da W52-FC Porto, a O JOGO.

O empresário conheceu Jorge Henriques quando este foi seu corredor, na W52-Quintanilha de 1993, ano em que ganhou uma etapa na Volta a Portugal. Com triunfos em grande parte das provas nacionais, Henriques destacou-se ainda ao ser o primeiro no Porto-Lisboa de 1995, pelo Bom Petisco-Tavira.

Corredor sempre limpo e correto, terminou cedo a carreira, em 1997, desagradado com o rumo que o pelotão português estava a tomar, pois o doping que ditava leis a nível internacional estava a chegar às equipas nacionais.

Foi vice-presidente da Associação Nacional de Ciclistas Profissionais e tornou-se depois diretor-desportivo da Ovarense, com a qual esteve no pelotão profissional até 2004, tendo a equipa desaparecido por falta de patrocinadores.

Dedicando-se a seguir à formação, em 2016 foi convidado por Carlos Pereira para dirigir a Escola de Ciclismo "Ovar Território de Emoções", projeto da Fullracing que cresceu ligado à então Efapel, ganhando equipas em todos os escalões e também no feminino.

Este ano, e com a Fullracing a criar a equipa Glassdrive-Q8-Anicolor, Henriques levou o setor da formação para uma nova formação, dirigida por José Azevedo mas com o patrocínio anterior, conservando a designação de Academia Efapel.