Rúben Guerreiro está perto da Lotto-Soudal e Ineos é alternativa

Rúben Guerreiro está perto da Lotto-Soudal e Ineos é alternativa

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Frederico Bártolo

Tópicos

O atual 15.º da Volta a Espanha diz não ligar aos rumores de mercado, mas O JOGO sabe que os belgas estão na linha da frente. E bem precisam de um corredor como ele

Rúben Guerreiro está de saída da Katusha-Alpecin, que deverá extinguir-se no final da época, e prepara-se para escalar no World Tour, isto porque as duas equipas que o sondam são de topo mundial. O JOGO sabe que a Lotto-Soudal, com um patrocinador que está no ciclismo desde 1985, é a mais forte hipótese, porém a Ineos, a mais imponente equipa em Grandes Voltas e a de maior orçamento da história (40 milhões de euros), também está interessada no seu concurso.

Em qualquer das duas equipas, Rúben Guerreiro, de 25 anos, seria o primeiro português de sempre, mas o estatuto que lhe será atribuído pode fazer pender a balança.

O projeto belga está carente de um líder para Grandes Voltas há muitos anos e o jovem do Montijo tem provado na Vuelta, com o 15.º lugar da geral e os constantes ataques, poder corresponder. Além disso, a Lotto ficou sem Tiesj Benoot, um classicómano com excelentes resultados em provas montanhosas de uma semana, um perfil em que o português encaixa, bem mais do que os já contratados Philippe Gilbert (Deceuninck) e John Degenkolb (Trek).

A Ineos mantém-se atenta, até porque nenhum contrato está assinado, mas a concorrência é feroz na equipa que pela primeira vez na história terá quatro vencedores de Grandes Voltas em simultâneo (Froome, Thomas, Carapaz e Bernal).

Guerreiro quer um contrato de pelo menos dois anos, mas mantém-se à margem dos negócios. "Isso quem trata é o meu manager. Estou focado na Vuelta. Só na segunda-feira penso no resto, mas quero uma equipa que aposte em mim e me deixe fazer corridas de três semanas", explicou a O JOGO, expressando a satisfação com o percurso na Volta a Espanha, onde já foi segundo num final em montanha, brilhando em fugas, mas também na geral.

"Estou feliz. Vou tentar ganhar uma etapa, mas tenho de ser frio, porque posso conseguir uma geral para recordar", rematou.

Manuel Correia: "É corredor para provas de três semanas"

Manuel Correia, diretor desportivo da Oliveirense-InOutbuild e técnico que lançou Rúben para o estrelato, anda satisfeito com os desempenhos do ex-pupilo.

"Tem tido muitos azares, mas a qualidade está lá. Teve um grande dia e depois fez mais duas etapas espetaculares. Independentemente do resultado final, provou ser corredor para provas de três semanas. Sempre se adaptou e vai consegui-lo em qualquer equipa", comentou.

Quanto à Katusha, acredita que, se o projeto seguisse, Rúben ficaria: "Falava-se do fim há algum tempo, mas disse-me sempre que se sentia bem lá."