Notícia O JOGO: Paulo Fonseca com proposta do Shakhtar, mas tem outra preferência

Notícia O JOGO: Paulo Fonseca com proposta do Shakhtar, mas tem outra preferência
Bruno Andrade/Filipe Dias

Tópicos

O treinador português já tem em mãos uma proposta do Shakhtar para renovar, mas a sua ambição passa por rumar a Inglaterra

O futuro de Paulo Fonseca pode não passar pela continuidade no Shakhtar. Segundo O JOGO apurou, o treinador português já recebeu uma proposta para a renovação do contrato por mais dois anos por parte do emblema de Donetsk, mas o seu desejo passa por uma mudança para a Premier League inglesa. A decisão final, naturalmente, cabe por inteiro a Paulo Fonseca e essa só será tomada após a conquista do campeonato e o fim da época na Ucrânia, de acordo com as informações recolhidas por este jornal.

Estando a cumprir a segunda época no Shakhtar, Paulo Fonseca está em final de contrato, pois quando saiu do Braga, assinou por duas temporadas. Os dirigentes do emblema ucraniano estão muito agradados com o trabalho efetuado, que acabou com o domínio que o Dínamo Kiev exercia no campeonato local - venceu em 2014/15 e 2015/16. Ao campeonato ganho o técnico luso juntou ainda a Taça da época passada e a Supertaça no início da atual. Atualmente, o Shakhtar lidera a liga (com seis pontos de vantagem sobre o Dínamo) e está nas meias-finais da Taça (dia 17 de abril recebe o Illichivets).

Mais do que as conquistas internas, o que tem despertado a cobiça de outros clubes a Paulo Fonseca são as exibições do Shakhtar nas provas da UEFA. Na época passada, a equipa caiu nos "16 avos" da Liga Europa com o Celta de Vigo, semifinalista (perdeu com o Manchester United), e na atual edição impôs a primeira derrota da época ao Manchester City de Pep Guardiola (2-1), que estava numa série de 21 jogos seguidos sem desaires em todas as provas (19 vitórias e dois empates). Também por isso, Paulo Fonseca viu o seu nome associado ao Everton pela Imprensa inglesa e ao PSG por parte da francesa. Aqui já como possível sucessor de Unai Emery, que está de saída por não ter ganho a tão ambicionada Liga dos Campeões.