Guerra na Ucrânia obriga Kovalenko a tomar medicação para dormir

Guerra na Ucrânia obriga Kovalenko a tomar medicação para dormir
Redação

Médio do Spezia concedeu entrevista à Gazzetta dello Sport

A incerteza e as sucessivas más notícias da guerra na Ucrânia têm afetado Viktor Kovalenko, médio do Spezia, sob medicação para dormir face ao pensamento das informações que "podem chegar a qualquer momento".

"Estou muito preocupado. Para tentar dormir pelo menos algumas horas, tomo os produtos que o médico do Spezia sugeriu. Mas é muito complicado. Vivo sempre com o pensamento de que más notícias podem chegar de repente...", revelou, em entrevista à Gazzeta dello Sport.

O médio ucraniano de 26 anos, emprestado pela Atalanta, já perdeu um amigo na guerra e tem a família, a quem só deseja "abraçar novamente", na Ucrânia, em Kherson, "pronta para usar as armas para defender a vida".

O médio regozija-se pelo facto da sua família estar "bem", contudo, recorda que "a incerteza é terrível". "Não sabemos quanto tempo esta guerra absurda vai durar", enfatizou.

Kovalenko assume que é "mau ligar a televisão e ver certas imagens", mas confia que "a Ucrânia vai levantar-se de novo". Sentindo-se impotente, espera poder ajudar o país-natal, representando a seleção no play-off de acesso ao Mundial'2022, assumindo que isso "seria algo especial".

"Essa ideia ajuda-me. Pelo menos, distrai-me por algumas horas. Espero poder jogar o play-off do Mundial com a Ucrânia. Teria um significado especial. O Spezia está a apoiar-me muito, é um clube maravilhoso, uma grande família", concluiu.

A meia-final dos ucranianos frente à Escócia foi adiada e ficou, provisoriamente, agendada para junho, com o vencedor a defrontar posteriormente o País de Gales.