Agentes contestam FIFA: "Vão retirar do mercado mais de metade dos empresários"

Agentes contestam FIFA: "Vão retirar do mercado mais de metade dos empresários"
Alcides Freire

Mais de uma centena de agentes reúnem na Suíça para combater legislação da FIFA que entrará em vigor no próximo mercado de transferências

Cerca de 120 agentes de futebol estarão reunidos esta quinta-feira no estádio do Zurique, na Suíça, mas a ideia não é dar uns toques na bola. O plano é discutir a eventualidade de apresentar uma queixa contra a FIFA no Tribunal Europeu.

O que está em causa? No fundo, a decisão da federação internacional regulamentar as relações dos empresários com os clubes para, no entender da FIFA, obter-se mais transparência no universo das transferências.

"A FIFA tomou decisões que, se colocadas em prática, vão retirar do mercado mais de metade dos agentes", afirma Mike Miller, presidente da Associação de Agentes de Futebol. "E nem sequer chamou nenhum representante dos empresários para essa discussão".

Para além de um conjunto de regras a FIFA pretende proibir que o mesmo empresário represente duas ou mais partes do mesmo negócio, tido hoje em dia como a grande fonte de rendimento dos principais intermediários. O que sucede hoje em dia? O mesmo agente pode representarr clube comprador, clube vendedor e o jogador.

Um dos casos mais mediáticos, e que terá feito a FIFA despertar para esse assunto, foi protagonizado por Mino Raiola, que ao representar Juventus, Pogba e Manchester United ter recebido 48 milhões dos 102 milhões de euros na transferência do francês da Serie A para a Premier League.

Um recente estudo da FIFA revela que os clubes pagaram 2,56 mil milhões de euros em comissões a agentes desde 2013.