Pinto da Costa reage pela primeira vez ao caso de racismo com Marega

Pinto da Costa reage pela primeira vez ao caso de racismo com Marega
Hugo Monteiro

Tópicos

Declarações do presidente do FC Porto esta terça-feira.

Pinto da Costa pronunciou-se, pela primeira vez, sobre o caso de racismo de que foi vítima Moussa Marega na partida de Guimarães, da jornada 21 do campeonato.

"Aquilo foi uma atitude infeliz. Foi uma maneira de atingir Marega. O Guimarães também tem jogadores de outras raças e não foram ofendidos. Foi lamentável, têm de ser castigados exemplarmente para que não volte a acontecer. Mais do que racismo, foi uma estupidez", afirmou, à entrada do Palácio da Justiça, para ser ouvido por videoconferência no âmbito do julgamento ao ataque à Academia do Sporting.

"Não é pela atitude digna que o Marega passou para nós a ser importante. No final do ano, muito antes de sonharmos que isto era possível de acontecer, que o Marega recebeu o Dragão de Ouro do FC Porto. Não é por isto que ele passou a ser um grande atleta e um grande homem. Mais do que um problema de racismo, foi de estupidez. Nem compreendo como é que isso [a raça] pode ser problema para alguém. Isto é sobretudo um caso de polícia. Se roubarem a carteira às pessoas na bancada do estádio a responsabilidade não é dos clubes", vincou, recordando a infância.

"Os meus ídolos no FC Porto eram alguns jogadores de cor. Era-me indiferente qual a raça, país ou cor. O futebol, como serviu a mim, serviu a muita gente. No tempo do Jaburu e do Miguel Arcanjo eram os ídolos de todas as crianças aqui no Porto. O futebol serve para que não exista racismo. No primeiro jogo de futebol que eu vi, o FC Porto tinha um jogador de meio-campo, o Gastão, que era negro. Era um dos que eu mais gostava", disse.