Pinto da Costa explica o que se passou com Nakajima: "Entrou em paranoia"

Pinto da Costa explica o que se passou com Nakajima: "Entrou em paranoia"
Carlos Gouveia

Tópicos

ENTREVISTA, PARTE 2 - Pinto da Costa explicou o que se passou com o japonês e garante lugar no plantel em 2020/21 em entrevista exclusiva a O JOGO e Jornal de Notícias.

Pinto da Costa considerou a grave lesão de Marcano como um dos pontos negativos da caminhada que levou o FC Porto ao título nacional. O espanhol teve de ser operado, depois de sofrer, num treino, uma rotura do ligamento cruzado anterior. Foi no final de maio, numa altura em que Nakajima já tinha pedido para voltar para casa. Outro ponto negativo, na opinião do presidente.

O japonês "entrou em paranoia" e acabou por falhar todos os jogos após a retoma, mas Pinto da Costa diz que não há pena de morte no Dragão, garantindo a presença do jogador no plantel da próxima temporada. Aliás, o se o extremo não recebeu a medalha de campeão foi por vontade própria.

O presidente portista começou por explicar o que se passou com Nakajima. "Foi um problema de saúde, psicológico. Entrou em pânico, incompreensivelmente, mas as pessoas não entram em pânico porque querem. Não se sentia capaz, nem foi capaz de ultrapassar os problemas. Pelo facto de ser estrangeiro e de não perceber nada do que se passava à volta entrou numa autêntica paranoia. Mas não temos pena de morte no FC Porto e claro que ele conta. No princípio da próxima época será reintegrado", assegurou.

Pinto da Costa lembrou ainda que o japonês já está a treinar no Olival, mas que não o faz em grupo porque ainda não se sente confortável para o fazer. Aliás, foi precisamente por isso que ninguém o viu nas comemorações do título nacional. "Foi muito comentado e criticado num programa de televisão, daqueles que não tem pessoas dos clubes, mas indivíduos independentes, o facto de o FC Porto não lhe ter dado a medalha de campeão. Isso não é verdade. O FC Porto nesse dia convidou o Nakajima a estar presente. O convite foi feito através do empresário que está com ele e fala japonês, mas ele não se sentiu à vontade, não quis, e preferiu receber a medalha mais tarde e com todo o direito porque participou em vários jogos e foi importante em algumas decisões", assegurou o líder dos dragões. "Nesta fase da época não contámos com ele, mas é um jogador em quem acreditamos e para o ano fará parte do plantel", insistiu.