"Movimentações dos rivais? Até ando a tomar calmantes por cada nome que sai"

"Movimentações dos rivais? Até ando a tomar calmantes por cada nome que sai"

Pinto da Costa, presidente do FC Porto, deu uma entrevista ao Porto Canal este sábado.

Movimentações dos rivais: "Fico muito preocupado. Até ando a tomar uns calmantes por cada nome que sai. Quando saiu o do Gotze, tive de tomar uma caixa de comprimidos para me acalmar. Depois deixei de tomar porque ele afinal não veio. É evidente que estou a brincar. Não fico nada preocupado. É evidente que todos os clubes portugueses, não é só o FC Porto, têm necessidade de vender. Nós estamos em grande desvantagem porque pagamos de impostos muitíssimo mais do que nos outros países. Se eu oferecer um milhão a um jogador, isso custa-me 2,2 milhões. Se um clube italiano oferecer um milhão a um jogador, custa-lhe menos de 1,5 milhões. Isso é uma desvantagem brutal e o nosso Governo, que se está a marimbar para os clubes, não altera isto, por muito que os clubes lhe façam ver que a qualidade do futebol português cada vez vai baixar mais. No ano passado, pagámos 50 milhões de impostos ao Estado. Bem sei que a TAP precisa de muito dinheiro, mas não o levem todo de nós. Tivemos de vender o Vitinha? Tivemos. E o Benfica, quem teve de vender? O melhor marcador do campeonato, considerado o melhor jogador da prova. E o Sporting? Um internacional A, por 20 milhões. E não conseguiu manter o Sarabia, que foi um jogador influentíssimo. Portanto, em termos de saídas, isso não vai influenciar o equilíbrio das equipas porque todas perderam jogadores importantes. Talvez o Benfica tenha perdido o mais influente de todos, ou então [Darwin] foi mal escolhido como o melhor jogador do campeonato. O que temos de fazer é tentar colmatar as saídas com jogadores que possam preencher esses lugares o melhor possível e preparar o futuro, na formação. Quanto às contratações, já se sabe que as do FC Porto são todas fracas e que qualquer jogador que chegue para os outros tem as televisões no aeroporto, nem que depois não fique cá. Se formos contar o tempo que as televisões dedicaram ao Gotze, foi muito mais do que o que dedicaram ao David Carmo quando veio para o FC Porto. É tudo marketing, é facciosismo e fanatismo. Dentro do campo é que se vai ver quem é que está melhor".

Ansiedade pela Supertaça: "Quando acaba o campeonato, festejo durante um dia e no seguinte já estou com saudades dos jogos. É evidente que nesta fase há muito tempo sem futebol, mas já não falta muito. Vamos ter o FC Porto-Mónaco, um jogo a sério, no Dragão. Depois a Supertaça, que espero, que seja mais um troféu para o FC Porto, sem estar a desvalorizar o Tondela. No futebol não podemos esquecer o passado e que o Aves ganhou, em Lisboa, a Taça [de Portugal] ao Sporting, que o V. Guimarães, que na altura não era o que é hoje, ganhou a Taça [de Portugal] ao Benfica, que a Académica ganhou a Taça [de Portugal] ao Sporting e que nós nos vimos aflitos para ganhar ao Chaves, em Lisboa, 1-0, num jogo em que tivemos de trabalhar muito. Portanto, não há vencedores antecipados. Estou tranquilo nesse aspeto porque o treinador não permite que essa mentalidade se instale no espírito dos jogadores, nem os jogadores têm esse espírito. Espero que, com mais ou menos dificuldade, os portistas possam ter uma grande alegria, até porque como disse ontem, será dedicado a todos os portistas da Madeira, que organizaram um jantar de confraternização que me sensibilizou imenso".