Corona: a nova sombra de Luis Díaz no FC Porto

Corona: a nova sombra de Luis Díaz no FC Porto
Bruno Filipe Monteiro

Tópicos

A viragem à esquerda, mesmo perante a disponibilidade de Pepê, coincidiu com o ciclo de maior utilização esta temporada do mexicano, que leva seis encontros consecutivos a ser opção para o treinador

Como segundo avançado, lateral-direito, extremo-direito e, mais recentemente, extremo-esquerdo: Sérgio Conceição já experimentou Corona em diversas posições do terreno para o tentar despertar da hibernação em que entrou esta temporada, depois de um defeso em que o 17 do FC Porto viu gorado o desejo de saltar para uma liga com maior projeção.

A viragem à esquerda aconteceu em três dos últimos quatro jogos, levando Tecatito a funcionar como uma espécie de sombra de Luis Díaz. A experiência não foi meramente circunstancial, uma vez que, mesmo perante a disponibilidade de Pepê, como sucedeu em Portimão, Conceição optou por inverter a posição de ambos: o brasileiro entrou para a direita, o mexicano para a esquerda.

A aposta ainda não teve resultados materiais (golos ou assistências), mas Corona tem dado alguns sinais de vitalidade desde então, até porque já desempenhou funções idênticas na seleção do México no passado. Com o Portimonense (campeonato), por exemplo, ofereceu um golo (desperdiçado) a Pepê e, com o Rio Ave (Taça da Liga), viu os festejos serem-lhe negados pelo guarda-redes e a trave no mesmo lance.

Embora só tenha superado a meia-hora de jogo por uma vez (Rio Ave), a verdade é que esta viragem de Corona coincide com a fase de maior utilização esta época. Depois de um mês em que alternou estadias no banco com ausências da convocatória, o extremo leva seis encontros consecutivos a ser opção para o treinador, que ao longo deste período vincou sempre o que estava em causa.

"O FC Porto precisa que o Corona jogue mais, que jogue mais tempo e é uma questão de trabalho. Tem de se preparar da melhor forma para, quando for chamado, dar a resposta que tem que dar", sublinhou Conceição, antes do confronto com o V. Guimarães (28 de novembro), o primeiro deste ciclo de atividade para Tecatito.

Renovação só com um volte-face

Os episódios ocorridos durante o verão, com alegadas ofertas realizadas pelo agente ao Atlético de Madrid, cavaram um fosso difícil de anular na relação entre o FC Porto e Corona na discussão da renovação. Embora Vítor Baía tenha referido, em entrevista ao JN, que a SAD iria fazer uma última tentativa para esticar a ligação entre as partes, que termina a 30 de junho, a verdade é que, nesta fase, só um volte-face levaria a esse desfecho. Tecatito tem aspirações financeiras incomportáveis para os azuis e brancos e, assim, tudo aponta para que a partir de 1 de janeiro comece a analisar ofertas dos interessados.