Conselho Superior do FC Porto esteve reunido e tem revisão dos estatutos no horizonte

Conselho Superior do FC Porto esteve reunido e tem revisão dos estatutos no horizonte

Estão previstas mais duas reuniões até ao final deste ano de 2021.

O Conselho Superior do FC Porto reuniu pela primeira vez, esta quinta-feira, depois das eleições realizadas em junho do ano passado. Lourenço Pinto, citado pelo site oficial do clube, explicou que estão agendadas mais duas reuniões em 2021, em setembro e novembro, e que será discutida a "possibilidade de rever os estatutos".

"Esta reunião tem comunicabilidade. O presidente quer trocar impressões com as pessoas, quer ouvir os associados, sentir a sua reação, e aproveitou-se a situação para dar maior alargamento a estas reuniões. E também pensar na possibilidade de rever os estatutos para lhes darmos uma maior modernidade, se possível considerando que eles são uma peça adiantada, bem construída juridicamente e no aspeto desportivo. A perfeição atinge-se aos poucos e esta é mais uma jornada para que se atinja esse objetivo. É um dos nossos pontos", disse Lourenço Pinto, presidente da Mesa da Assembleia Geral e, por inerência, também do Conselho Superior.

"O Conselho Superior é um órgão importantíssimo para nós. Não se trata apenas de um órgão consultivo, é um órgão que reúne um conjunto de personalidades que desempenham ou já desempenharam um conjunto de funções, além de um conjunto de associados eleitos em Assembleia Geral. Daí advém uma necessidade extrema de que este Conselho seja ouvido mais vezes daquilo que é o normal. Temos de seguir o exemplo do nosso presidente, que tem sido um defensor acérrimo do Conselho Superior, ou seja, da comunicabilidade. O nosso presidente é uma pessoa comunicável, que gosta de ouvir, de ver achegas, de receber conselhos e ter ideias. Portanto ele quer que o Conselho reúna mais vezes. Há uma necessidade extrema de trocarmos impressões, diálogo, ideias e, sobretudo, sentirmos o que os sócios querem. O nosso presidente é uma pessoa comunicável, que gosta de ouvir, de ver achegas, de receber conselhos e ter ideias. Portanto ele quer que o Conselho reúna mais vezes. Há uma necessidade extrema de trocarmos impressões, diálogo, ideias e, sobretudo, sentirmos o que os sócios querem", disse ainda.