Noronha Lopes visa Vieira: "Não basta ser sérios, temos de parecer sérios"

Noronha Lopes visa Vieira: "Não basta ser sérios, temos de parecer sérios"
Vítor Rodrigues

Tópicos

Candidato visa Luís Filipe Vieira e diz que já chega de ver "o Benfica falado por maus motivos".

A acusação que recai sobre Luís Filipe Vieira, no âmbito da operação Lex, está na ordem do dia e o candidato João Noronha Lopes não a deixou arrefecer porque, segundo reafirmou no sábado em Évora, não se revê numa liderança que já faz parte do passado, apontando como a seriedade como um princípio de conduta essencial.

"Ao Benfica, e a quem trabalha com o Benfica, não basta ser sérios; temos de parecer sérios, porque somos o maior clube português. Estou farto de títulos nos jornais. Quero títulos desportivos", afirmou João Noronha Lopes, referindo que "o Benfica precisa de esperança, de sonho, de futuro". "Chega do Benfica falado por maus motivos. Queremos olhar para a frente. Não se pode construir o futuro com os vícios do passado", atirou.

Depois das visitas às casas do clube de Campo Maior, Elvas e Reguengos, João Noronha Lopes terminou o dia em Évora, terra da família. Contou com a presença de vários familiares, como irmãos e sobrinhos, numa plateia onde estava o apoiante João Queimado, filho do antigo presidente Ferreira Queimado.

"O Benfica não é de um homem só; é dos sócios! Estas não podem ser palavras ocas; isto tem de se viver e sentir; tem que se manifestar em todas as decisões tomadas pelo clube", afirmou o adversário de Luís Filipe Vieira, acrescentando que o Benfica que quer "tem de ser grande". "É importante formar, mas não podemos formar para despachar. Temos de formar para fazer crescer os jogadores. Não podemos saltar etapas na formação", afirmou.

Além de ter abordado a falta de ambição nas modalidades, de ambição europeia e a mudança de projeto desportivo no futebol, referiu que Waldschmidt, reforço que bisou em Famalicão, chegou "com um ano de atraso" e apenas porque há eleições agora.