Premium O elo mais fraco

RUGIDOS DO LEÃO - O Benfica cavou um fosso de mais de 120 milhões de prémios da UEFA, isto sem falar nas transferências. Não é possível competir nestes termos.

Um dos erros históricos das lideranças sportinguistas foi não terem percebido que o crescimento do Porto nunca seria feito à custa do Benfica, mas sim do próprio clube. Depois de perder a liderança nos anos 60/70, o Sporting viu-se relegado para um terceiro lugar que não representa o seu peso social na sociedade portuguesa. São os adeptos do Sporting que mantêm o clube agarrado ao topo do futebol português pois há muito que os resultados desportivos não são condizentes com a grandeza do clube. Cabe-nos recuperar o nosso lugar, o que terá inevitavelmente de ser feito à custa do Porto. E existem motivos para chegar a esta conclusão.

Desde logo, a liderança do Porto está no fim da linha. Pinto da Costa é um líder histórico e que levou o Porto para patamares inimagináveis, mas não soube afastar-se na altura certa e, sobretudo, abrir o espaço para uma sucessão e liderança forte. O Porto vive à sombra dos êxitos passados, à espera a qualquer momento do decaimento do seu presidente. Por outro lado, o Porto depende, como nenhum outro clube, do sucesso desportivo. Sem o mesmo, o clube voltará rapidamente a cair nas malhas do fair-play da UEFA, sendo que o recente insucesso representa uma perda financeira significativa e um grande rombo na estratégia portista. O Porto é, pois, um alvo apetecível e a nossa recuperação desportiva e financeira terá de ser feita à custa do nosso rival. E significa assegurar um lugar de acesso à Champions nos próximos anos.