Premium Futebol positivo a exigir esforço e reforço(s)

Futebol positivo a exigir esforço e reforço(s)

RUGIDOS DO LEÃO - O jogo da Taça no Fontelo acaba de terminar assim que escrevo estas linhas. Uma tarde de Taça de Portugal, o regresso do jogo aos seus primórdios e à sua beleza natural. A festa do futebol universal a voltar a Viseu e às Beiras. É disto que o povo gosta.

O resultado é bastante enganador face ao que o Lusitano produziu e à fraca primeira parte do Sporting. Mas já se viu o dedo de Keizer, ainda que esteja quase tudo por fazer. A ideia de jogo do holandês saltou bem à vista: uma defesa subida, muita pressão na saída do adversário e futebol de toque fácil, passa e recebe, triangulações, transições rápidas com dois alas bem abertos. No papel funciona bem, mas vamos ter muitas dificuldades para desmontar equipas mais pequenas e a jogar mais fechadas.

A ideia de jogo de Keizer exige dois laterais que saibam subir e um pivô que possa ser o pêndulo da equipa. Os médios terão de fechar por dentro e ir às segundas bolas, antecipo que Acuña vai ter papel preponderante nesta equipa. Contudo, o Sporting não tem um número 6 de valor inquestionável e Gudelj apenas remedeia a função. Esta, aliás, tem de ser a prioridade absoluta para o Sporting no mercado de inverno. Frederico Varandas já avisou que a prioridade é pagar as dívidas, mas a equipa precisa de se reforçar no miolo, onde nunca conseguiu, esta época, ter o equilíbrio necessário. No campeonato português, a jogar de forma tão aberta perante equipas com enorme dose de matreirice, temo bem que Marcel Keiser apanhe uns valentes dissabores.