Liga Portuguesa de Basquetebol: uma segunda fase repleta de desafios

Liga Portuguesa de Basquetebol: uma segunda fase repleta de desafios

Primeira etapa do campeonato está concluída. Seguem-se mais 10 jornadas, com as equipas divididas em dois grupos e metas bem definidas

Terminou ontem a primeira etapa da fase regular da Liga Portuguesa de Basquetebol. Depois de jogarem todos contra todos a duas voltas, os 12 clubes participantes serão agora divididos em dois grupos (A e B), de 6 equipas cada, de acordo com a classificação obtida, para uma nova ronda a duas voltas dentro de cada grupo. Nesta fase, decide-se então o emparelhamento das equipas para o play-off com os 8 primeiros (os 6 do grupo A e os 2 melhores do B) e encontra-se a equipa que será despromovida à Proliga (escalão secundário) na época seguinte.

Mas, ao contrário do que possa parecer, o interesse não reside apenas no topo e no fundo da tabela, senão vejamos os principais desafios que se colocam às equipas nesta fase.

No cimo da tabela temos os três "grandes" da prova: Oliveirense, Benfica e FC Porto, por esta ordem de classificação. Os três emblemas lutarão para atingirem o 1.º lugar na fase seguinte, e isso não só pelo orgulho de ser o campeão da regularidade, mas principalmente por duas vantagens associadas: o 1.º classificado só encontrará um dos outros dois "grandes" na final do play-off, caso lá cheguem, e também beneficiará do fator-casa até ao final da competição. Esta vantagem do fator-casa é ainda o maior incentivo para ser 2.º em vez de 3.º, caso essas duas equipas se venham a encontrar nas meias-finais.

Nas outras três posições do Grupo A, figuram Ovarense, Lusitânia e Terceira. Sendo legítimo que aspirem a lugares mais cimeiros, esse desígnio parece bastante complicado, dado o número de vitórias e derrotas que levam consigo desta primeira fase. Com a participação no play-off assegurada, evitar o 6º lugar é seguramente a prioridade, pois esse irá medir forças logo nos quartos de final com o 3.º classificado (eventualmente um dos três "grandes"). 4.º e 5.º vão-se cruzar e, tal como referimos anteriormente, o que os distingue é a vantagem que o 4.º jogar em casa um eventual desempate na série.

No Grupo B, temos na frente CAB Madeira, Esgueira, Vitória de Guimarães e Illiabum. São as equipas que, à partida, estão mais próximas das duas vagas em aberto para entrar na fase a eliminar (7º e 8º). Com apenas duas vitórias a menos está o Galitos do Barreiro que, por um lado sonha em ascender na classificação; por outro, tem a pressão do atual último - Imortal de Albufeira - na luta pela permanência nesta LPB, dado que apenas desce uma equipa para o escalão secundário (Proliga).

Dito isto, parece evidente que, nas próxinmas jornadas, não há clube que possa estar relaxado e confortável. Há desafios e objetivos quase à medida das aspirações de cada um. Os reforços que se incorporaram nas equipas são um ingrediente-extra numa prova de renovado interesse e que merece a pena continuar a ser acompanhada.

Rui Alves, treinador de basquetebol