Há um antes e um depois de Donner em Portugal

Há um antes e um depois de Donner em Portugal

O andebol em Portugal com Aleksander Donner deu um salto qualitativo inquestionável, originando os melhores resultados de sempre a nível de clubes, mas principalmente de seleções. Conseguimos um apuramento histórico para o Mundial do Japão, eliminando a poderosa Alemanha no mítico "Sá Leite". Que saudades...

Mas para além dos extraordinários resultados desportivos, conseguiu criar nos jogadores uma mentalidade de vitória, a sua influência foi transversal, provocando a criação de um modelo de jogo defensivo e ofensivo em todas as equipas em Portugal, seja no andebol masculino seja no feminino. Todos os treinadores, uns mais que outros, naturalmente, usaram, copiaram e aprenderam com ele. A analise de vídeo, que não era usada na preparação dos jogos, a superioridade numérica ofensiva, diferentes ações ofensivas, contra ataque, etc são ainda hoje influenciados pelo modelo de jogo Donner.

Tivemos também outro fantástico treinador, Ljubomir Obradovic, que no Belenenses (foi com ele campeão pela última vez, em 1993/94), Isave, mas, principalmente, no FC Porto (seis vezes campeão em seis épocas no clube) veio trazer um jogo mais rápido, mais agressivo e adaptado às novas regras. Donner e Obradovic serão, eventualmente, os dois treinadores que mais "escola" criaram em Portugal, sendo muito fácil de detetar os técnicos seguidores de um e de outro.

Este ano de 2019 pode trazer novamente Portugal aos grandes palcos a nível de seleções com o apuramento para o campeonato da Europa de 2020 a jogar na Suécia, Áustria e Noruega.

A nossa última participação foi no Europeu da Suíça de 2006!!! Espero eu, e esperamos todos, que o apuramento para o Europeu 2020 seja uma realidade e que não voltemos a estar outros 14 anos arredados dos grandes palcos mundiais.

Temos, pelos resultados até agora atingidos, todas as possibilidades de o conseguir.

Depois da frustrante eliminação de Portugal pela Servia de... Obradovic, na qual cometemos erros inexplicáveis entre a primeira e a segunda partida, ao nível da estratégia de jogo, com mudança dos princípios do jogo, muito mais organizado e planeado no segundo encontro, assim como na escolha de alguns jogadores, com a utilização de João Ferraz e Wilson Davies a titulares no jogo na servia, sendo que em Portugal Ferraz não foi convocado e Wilson não saiu do Banco, o selecionador Paulo Jorge Pereira terá a consciência disso e certamente estará atento para que tal não se vote a repetir.

Portugal tem que perceber, rapidamente, que há jogos que não se jogam para a estatística individual, para as redes sociais, nem para a bancada, há jogos que se jogam com muito mais variáveis e que não há uma segunda oportunidade. Por isso, cada posse de bola, cada ação defensiva, cada momento tem uma importância decisiva.

Fernando Santos e Scolari conseguiram atingir os melhores resultados de sempre a jogar para ganhar, sacrificando o jogar bonito.

Donner venceu muito, mas conseguiu-o com uma caraterística comum: obrigou sempre os seus jogadores a porem o clube ou seleção em primeiro lugar, não permitindo que o ego de uns pudesse por em causa o sucesso de todos.

Ao Donner agradeço tudo o que fez pelo andebol em Portugal, e penso mesmo que não terá tido consciência da influencia que teve, ao Paulo Jorge Pereira e aos seus "guerreiros" desejo que nos consigam o tão desejado apuramento. Precisamos, urgentemente, criar um momento depois de Donner. Se tal acontecer é porque voltamos a ter sucesso. VAMOS PORTUGAL!