Premium A diferença das convicções

PLANETA DO FUTEBOL - O jogo com a Suíça deu elementos para pensar. A final com a Holanda pode dar certezas para gerir melhor este momento.

1 - Não é um Mundial nem um Europeu, mas é uma final dum torneio que, dividindo a Europa em divisões e papel quadriculado, pode traduzir mais uma "afirmação de personalidade" forte do futebol português. Podemos depois do jogo com a Suíça só ter certeza de uma coisa, que Ronaldo quando aparece faz-nos ganhar mesmo sem estarmos a jogar bem, mas o crédito e o estatuto que a nossa seleção ganhou nos últimos anos (décadas) já mostrou ser capaz de readaptar-se rapidamente a diferentes circunstâncias/exigências de jogo. Assim, da mesma forma simples como Ronaldo corre a celebrar os golos que marca esperando quando salta e trava que todos (a equipa, os adeptos e o país futebolístico) o venha abraçar.

2 - É essa noção adulta do jogo que permite imaginar a equipa a mudar de sistema tático de um jogo para o outro em curtos dias sem que tal exija hoje um exercício de treino e preparação longo que esse curto tempo não bastaria sem essa base de "cultura de jogo" adquirida (algo que está muito para além das meras estruturas táticas).