Exclusivo A intensidade que ia cansar só de ver foi uma publicidade enganosa que Schmidt deixou passar

A intensidade que ia cansar só de ver foi uma publicidade enganosa que Schmidt deixou passar
Luís Freitas Lobo

Tópicos

PLANETA DO FUTEBOL - Opinião de Luís Freitas Lobo

1 - O simples anúncio da vinda para o Benfica de Roger Schmidt, um treinador da vertiginosa escola de alemã, provocou imediato clamor de que, agora sim, chegava a verdadeira intensidade, a palavra que fascina as análises futebolísticas atuais: o poder da equipa a defender e atacar num fôlego só, de ir e voltar de uma baliza à outra (e ao contrário logo a seguir) com igual velocidade e entusiasmo.

Automaticamente, à luz destes conceitos de quase superpoderes físicos, alguns jogadores do anterior onze encarnado foram logo cortados porque protagonizavam outro tipo de futebol. Quer pelas aparências ou pela realidade, eram jogadores bons tecnicamente, que passavam bem a bola, mas não andavam nessa vertigem de área à área atrás da bola (em posse ou a pressionar) com a língua a arrastar pela relva.