Premium Villas-Boas e o holocausto canibal do Dragão

Villas-Boas e o holocausto canibal do Dragão

TEORIAS DO CAOS - Um dos maiores insultos que se fazem ao Porto é antecipar constantemente o cataclismo apocalíptico do pós-Pinto da Costa.

André Villas-Boas repetiu a graça e tornou-se um alvo. Dizer uma vez que quer ser presidente do FC Porto ainda passa, duas vezes já é demasiado para a escassa capacidade de contenção da máquina de teorias de conspiração (MTC) do mundo portista, também muito eficaz a fazer o trabalho dos adversários melhor do que eles.

É a ironia da regionalização que Pinto da Costa defende, e bem, porque ainda esta semana vimos como Lisboa demora a dar a mais pequena prova de isenção. Uma boa forma de matar essa regionalização no útero é (ou foi) aniquilar todas as vozes articuladas que não se deixem domesticar, até todo o Norte parecer uma colónia de analfabetos funcionais. O mesmo Norte que pôs em Lisboa, por exemplo, a dupla Fernando Gomes e Tiago Craveiro, como se sabe bebedores de bicas e imperiais nascidos e criados em Alfama.