Premium Cristiano Ronaldo: é lixado, não é?

Cristiano Ronaldo: é lixado, não é?
José Manuel Ribeiro

Tópicos

Venceu (e achincalhou) de vez as palavras. Já não há elogio nem ofensa que se apliquem ao senhor da Champions

São já 34 anos de idade. Três Ligas dos Campeões seguidas, oito apuramentos para as meias-finais consecutivos, recordes em quase todos os índices atacantes da prova mais competitiva da História e um sem-número de façanhas individuais na linha dos três golos que ontem deram a volta a uma das equipas defensivamente mais duras e rigorosas do momento. Ronaldo junta agora, a toda essa numerologia que o distinguirá para sempre, a aritmética impossível de fazer o necessário no momento imprescindível para cumprir um desafio inaceitável. Porque é inaceitável pedir-se a um jogador de 34 anos (mas qualquer que fosse a idade) que ganhe sozinho a Liga dos Campeões - e ele já ganhou, pelo menos, os quartos de final, não sozinho, claro, mas cumprindo a parte de gigante.

No futebol, ser o suspeito do costume é mau, destrói jogadores às dúzias e são poucos os que conseguem cumprir expectativas sob o ardor dos holofotes e das atenções do adversário. Dessa curta elite, nenhum suportou a exigência máxima mais do que cinco ou seis épocas, física e/ou psicologicamente. Até Messi precisou dos intervalos que Ronaldo recusa, mesmo quando, aos 34 anos, lhe pedem que decida uma eliminatória ferida de morte contra o Atlético de Madrid do espinhoso Diego Simeone.