Paulo Gonçalves explica quanto?

Por trás do processo e-Toupeira há uma pilha de emails e comportamentos que combinam demasiado bem com ele. É feio fingir que não

1 A resposta oficial de Luís Filipe Vieira aos avanços do processo e-Toupeira tem um problema, apesar de irrelevante para a maioria benfiquista: o Benfica talvez possa desligar-se de Paulo Gonçalves, mas como é que se desliga de todos os outros emails que encaixam tão estranhamente bem neste caso? Como é que se separa as toupeiras do padrão de comportamento que ressalta daquela informação toda? Ou do PowerPoint com a receita do "domínio total", de que já ninguém se lembra? E da desproporcionalidade cada vez mais notória no espaço de opinião das televisões? Ou das próprias reações da SAD, negando repetidamente notícias e emails que sabe serem verdadeiros, entre outras manobras mediáticas questionáveis? Paulo Gonçalves pode explicar uma parte razoável, mas não finjam que explica tanto.

2 O secretário de Estado do Desporto reagiu ontem à tempestade IPDJ, na SIC Notícias, e ficámos na mesma, porque ninguém quer saber se o ex-presidente Augusto Baganha é bom ou mau funcionário. Há uma lei que proíbe o apoio dos clubes a claques ilegais. Pergunta básica, sem mais nada ao barulho: por que razão é que essa lei ficou tantas vezes por cumprir nos seus nove anos de existência? A falta de uma resposta e a permanente indiferença do secretário de Estado é que denegriram o IPDJ. As acusações de Baganha, desonestas ou não, chovem no molhado.