Blatter a mais

José Manuel Ribeiro

Tópicos

Os males portugueses não estão na FIFA, por isso poupem os foguetes

Sepp Blatter é culpado. Enquanto presidente da FIFA, se não participou, conviveu serenamente com a corrupção descarada durante, pelo menos, duas décadas. Dito isto, os portugueses passavam bem sem encarneirarem neste disparate que tenta fazer de um velhote suíço o cancro do futebol. Para Portugal, Blatter foi o diretor executivo da FIFA que inventou a exploração comercial dos mundiais, de onde vêm os milhões de euros que enriquecem a FPF e pagam Cidades do Futebol. Com a saída dele, os portugueses ficam rigorosamente na mesma, ou até pior, caso o próximo presidente seja, por exemplo, europeu, na esfera da Alemanha ou da Inglaterra, e tenha a ideia brilhante de fazer na FIFA o que se faz na UEFA com os clubes: pagar às federações consoante a dimensão dos respetivos mercados televisivos. Blatter pode ser execrável, mas, num processo que já atinge as dezenas de arguidos, será um bocadinho inocente pensar-se que se resolve tudo com uma demissão. Quando há tanta gente envolvida, está claro que o problema é o sistema; e o sistema da FIFA não é assim tão diferente do sistema da UEFA, nem na forma como escolhe os organizadores de fases finais nem nos métodos dos presidentes para garantirem apoios nas eleições. O que Blatter fez com os africanos e os asiáticos, Michel Platini repetiu com os europeus de Leste. E é por causa dele que os clubes portugueses recebem menos dinheiro da Liga dos Campeões e da Liga Europa do que alemães, ingleses, espanhóis, etc. É por causa dele que, no topo da pirâmide, Real Madrid, Bayern de Munique, Barcelona, etc., estão cada vez mais ricos e distantes da ralé. É por causa dele e por causa da Europa que o futebol está avariado. A FIFA não nos aquece nem arrefece.