Exclusivo António Salvador e o futebol real

António Salvador e o futebol real

Chamou os jornalistas para (quase) só falar de assuntos que determinam até que ponto pode ser, ou não, miserável o futebol do futuro em Portugal. Ou seja, nada de importante pelos nossos padrões.

O Braga de António Salvador convocou ontem os jornalistas, incluindo este que escreve, para uma conversa a roçar o escândalo. Não se falou de arbitragem, não se falou de garagens, não se falou de claques, (quase) não se falou de outros presidentes, (quase) não se falou de comentadores, não se falou de realidades alternativas: só de problemas verdadeiros e completamente inúteis para o objetivo do jogo, que, como sabemos, consiste em piorá-lo.

Foi como ser raptado e levado para um OVNI, onde estranhas criaturas experimentaram em mim termos alienígenas como "horários de jogos", "carga fiscal", "quadros competitivos" e "assistências nos estádios". Por coincidência, li no mesmo dia uma censura ao presidente da Liga por nunca ter falado do caso da garagem do FC Porto.