Premium Ronaldo é único, mas não está só

Ronaldo é único, mas não está só

A fabulosa exibição de Cristiano Ronaldo frente ao Atlético de Madrid obrigou a adiar para hoje a vénia a Bernardo Silva

O anúncio da renovação do contrato de Bernardo Silva com o Manchester City até 2025 fez a justiça de desviar para ele pelo menos um dos holofotes que muito naturalmente Cristiano Ronaldo tinha reclamado depois da exibição imperial frente ao Atlético de Madrid. Um hat trick que dá a volta a uma eliminatória nos oitavos de final das Champions, frente a um adversário do calibre do Atlético Madrid, depois de todo o folclore que rodeou o jogo da primeira mão e na sequência do eclipse do Real às mãos do Ajax tem esse condão de relativizar quase tudo o resto. Mas se Ronaldo foi igual a si próprio em Turim, Bernardo não foi assim tão diferente em Manchester. Sofreu a falta no penálti que abriu a goleada por 7-0 sobre o Schalke 04, marcou um golo e assistiu para outro, dando razão aos elogios recentes de Pepe Guardiola e sequência à grande temporada que já tinha feito em 2017/18, durante a qual, para lá de se tornar referência no City, suprimiu com segurança o enorme buraco deixado pela ausência de Ronaldo na Seleção Nacional durante o apuramento para a Liga das Nações. A dois dias do anúncio dos convocados de Fernando Santos para os jogos com a Sérvia e a Ucrânia, que marcam o arranque da campanha de apuramento para o Europeu de 2020, há de ser reconfortante para o selecionador nacional saber que conta com dois jogadores galácticos a atravessarem momentos de forma estratosféricos para a empreitada.