Bom, mesmo, só para o Dragão

Resultado do dérbi foi mau para o Sporting, mas pior para o Benfica. Mas os sinais do jogo também contam

Jesus garantiu ontem que o empate no dérbi não é um bom resultado para o Sporting, mas é pior para o Benfica, e tem razão. Desde logo, porque os encarnados fizeram muito mais para ganhar o jogo do que os leões, mas sobretudo porque, depois das contas feitas, a liderança ficou agora a cinco pontos de distância, sem que a diferença para o Sporting tenha diminuído. O Benfica é mais terceiro depois do dérbi do que era antes, mas a verdade é que voltou a sobreviver ao confronto direto com um dos rivais e até deu uma prova de vida capaz de adiar a condenação definitiva de Rui Vitória ao cadafalso. É verdade que as águias estavam entre a espada e a parede e o espaço ainda se estreitou mais depois do golo do Sporting, mas a verdade é que arriscaram tudo e chegam à última jornada da primeira volta vivas, mesmo sem ter conseguido quebrar o enguiço dos jogos à semana. Um problema que os encarnados não voltam a ter tão cedo. Quanto ao Sporting, é impossível não ver no dérbi de ontem uma oportunidade perdida, até pela vantagem de que a equipa beneficiou desde cedo. Jesus não costumava ficar satisfeito com tão pouco, mas a idade muda as pessoas e aquilo que se viu foi uma equipa amontoada em frente da baliza de Rui Patrício e incapaz de explorar o contra-ataque. Uns dias antes e não sei se ia ter as prendas que pediu a Bruno de Carvalho. Já Sérgio Conceição ganhou argumentos para pedir reforços. O FC Porto ganhou e isolou-se na frente, mas sofreu e percebeu-se que a equipa precisa de argumentos não só para discutir com os adversários, mas também para resistir a outro tipo de interferências. Há limites para além dos quais nenhum treinador consegue esticar um plantel.