Arbitrariedades

Artur Soares Dias, o melhor árbitro da última época, ainda não apitou qualquer clássico esta época...

Numa jornada marcada pelo dérbi de Lisboa e por uma deslocação difícil do FC Porto a Santa Maria da Feira, dois jogos com impacto direto na definição dos lugares do topo da classificação, não deixa de ser curioso que o melhor árbitro português, tanto quando se pode concluir a partir da classificação da última época, tenha sido escolhido para apitar o Portimonense-Belenenses. Aliás, Artur Soares Dias ainda não apitou qualquer clássico esta temporada, o que até podia ser um sinal positivo e uma prova de que outros valores se levantam com qualidade para assumir jogos deste calibre, não se desse o caso de tanto FC Porto-Benfica como o Benfica-Sporting terem ficado marcados de forma decisiva por erros graves, reconhecidos pela generalidade da crítica, com influência no resultado final e impacto direto na corrida ao título. Mas nem tudo foi mau no balanço de mais uma jornada complicada para a arbitragem. Afinal, se a assertividade e justiça de algumas críticas em relação ao trabalho de Hugo Miguel e de Fábio Veríssimo devem justificar preocupação junto do Conselho de Arbitragem, o facto de para além do FC Porto também o Benfica se ter queixado tratou de relativizar a intenção com que foram produzidas, garantindo que, ontem, ninguém se lembrasse de falar na existência de campanha orquestrada com o objetivo subterrâneo de descredibilizar a arbitragem e estragar o futebol e todos os outros lugares comuns que costumam marcar estes rescaldos. Nem a APAF, normalmente tão rápida a reagir, quebrou o silêncio. Tanto cuidado deve querer dizer alguma coisa.