Cultura de exigência

Os sportinguistas estão mais exigentes. Bruno de Carvalho devia ficar orgulhoso em vez de irritado

Será certamente uma questão de ponto de vista, mas talvez Bruno de Carvalho pudesse considerar a hipótese de que está enganado. Bem sei que não é fácil, mas talvez pudesse admitir que o facto de haver adeptos do Sporting que não ficam saciados com a conquista da Taça da Liga ou que exigem que a equipa jogue melhor é, ao contrário do que supõe o presidente leonino, uma forma de puxar a equipa para cima, em vez de a atirar abaixo como afirmou ontem. Um bom sinal, no fundo. De resto, um bom sinal pelo qual merece ser responsabilizado. Os adeptos do Sporting estão mais exigentes, não se satisfazem com migalhas e, em vez de os criticar, talvez o presidente dos leões fizesse melhor em incentivar essa cultura de exigência. A contratação de um treinador como Jorge Jesus, o investimento ímpar no futebol português que essa aposta significou, bem como o suporte que lhe foi dado com as sucessivas investidas no mercado de transferências para o reforço do plantel, aliados ao próprio discurso presidencial, criaram expectativas nos adeptos que a Taça da Liga obviamente não satisfaz. O que não significa que exista um único sportinguista aborrecido por ganhar. Como me disse uma vez um treinador do FC Porto que haveria de levar o clube à conquista de vários títulos, a Taça de Liga é como o número zero: sozinha não vale grande coisa, mas ao lado de um campeonato ou de um título europeu, multiplica-lhe o valor de forma exponencial. É isso que adeptos mais exigentes do Sporting querem. Bruno de Carvalho também. No fundo, como quase tudo nos dias que correm, é só um problema de comunicação.