Premium As boas dores de cabeça de Fernando Santos

As boas dores de cabeça de Fernando Santos

Jogo do Bicho - Um artigo de opinião de Jorge Costa.

Portugal seguiu no trajeto vitorioso rumo à fase final do Europeu - e não nos devemos esquecer que é o campeão em título - com uma vitória sobre o Luxemburgo, embelezada com um golo de Cristiano Ronaldo que ficará na retina das muitas pessoas que o viram. Pertinho do golo 700, a fantástica capacidade de Ronaldo para marcar e, muitas vezes, para dar beleza aos seus golos e assim valorizar os espetáculos que devem encher de orgulho os portugueses que gostam da Seleção, ou seja todos nós, porque não acredito que haja um português que não olhe para ela com carinho.

O jogo com o Luxemburgo não foi fácil, mas ninguém estaria à espera que fosse. Vão longe os tempos em que o Luxemburgo era o bombo da festa e uma presa apetecida por todos. Fernando Santos tinha avisado para as virtudes deste adversário, rápido nas transições e muito bem organizado a defender. Foi preciso um jogo de paciência para desmontar a estratégia do Luxemburgo, mas percebeu-se cedo que Portugal estava ali para impor a sua superioridade. E, na primeira meia hora, foi um Portugal imenso a cobrir Alvalade. Fernando Santos fez duas alterações, trocou Guedes por João Félix, por uma questão estratégica, e William por Moutinho, devido a lesão, neste caso com influência no jogo da equipa. Embora o William "espanhol" seja hoje mais ofensivo, João Moutinho controla mais o jogo, pensa-o mais. Tanto é assim que não sei se não jogaria mesmo que William estivesse bem. Com ele, Portugal perde em temos de recuperação de bolas, mas ganha em poder ofensivo.