Exclusivo Uns são mais iguais

Jorge Coroado

Tópicos

APITADELAS - Um artigo de opinião de Jorge Coroado.

O primeiro-ministro, perspetivando reabertura da sociedade findo o estado de emergência, buscando emendar a mão à frase "O futebol não é prioridade", recebeu FPF e Liga, entidades responsáveis pela organização das competições futebolísticas, e notoriamente em ato taticista - nas receções às confederações sindicais ou associações patronais não se veem dirigentes de sindicatos ou administradores de empresas -, sabendo o universo eleitoralista das respetivas massas associativas, os presidentes dos três primeiros classificados da Liga NOS. O presidente do Vitória SC (Guimarães), qual porta-voz dos demais emblemas, expressou legítima indignação pela marginalização dos outros integrantes dos quadros do futebol profissional. Fê-lo usando linguagem institucionalmente adequada, de cariz educado, polido e algo conciliador. Olvidou, contudo, ter ação do governante consubstanciado politicamente o recorrentemente referido passar-se nos jogos do seu, e restantes clubes, em confronto com aqueles três. Porventura, alguém mais terra a terra, talvez dissesse que entre iguais uns são mais iguais que outros e que a presença daqueles três fora ato de cosmética procurando amenizar a assertiva peça jornalística publicada no NYT e replicada no "CalcioMercato", sobre a pejorativa influência política, económica e judicial promovida por gente adepta, sócia ou simpatizante do SL Benfica.

Oportunismos
Tempos difíceis promovem oportunismos. Abonando apertos económicos de alguns árbitros na atual crise, o avençal dirigente da APAF, usando papel timbrado desta e discurso que seria desejável mais escorreito na proteção da imagem da classe, baralhando institucional e individual, escreveu "carta aberta" aos agentes da arbitragem. Dissertou muito, disse pouco, vangloriou-se mais.

Mostrando como
Porque o egóico dirigente da APAF demonstra confrangedor desconhecimento da realidade fundacional da Associação de Auxílio da Arbitragem, sucedânea do Fundo de Auxílio de Arbitragem, criado e gerido sob indiscutível princípio filantrópico, a direção da AAA, mostrando como se faz, emitiu comunicado esclarecedor e elucidativo quanto ao âmbito e alcance dos seus propósitos.