"Agarrem-me senão vou-me a eles!"

"Agarrem-me senão vou-me a eles!"
Jorge Coroado

Tópicos

O anúncio de paralisação, proferido tipo puto de rua, redundou em mão-cheia de nada

"Ufa, ainda bem que a Liga veio em nosso auxílio", terá pensado o presidente da APAF após a resolução do imbróglio criado com o anúncio de PARALISAÇÃO e não de GREVE (Greve, direito constitucionalmente consagrado - Art.º 57º da CRP -, consubstancia-se na liberdade concedida de abstenção coletiva e concertada da prestação do trabalho, através da qual os "trabalhadores subordinados" - que os árbitros não são - buscam exercer pressão com propósito de realização de certo objetivo de interesse comum). Como expectado, o anúncio de paralisação, proferido tipo puto de rua ("Agarrem-me, agarrem-me, senão vou-me a eles!"), redundou em mão-cheia de nada. Atente-se na declaração, eivada de alívio, do dirigente de classe: "Os árbitros aceitaram e foram sensíveis ao pedido da Liga para retirar o pré-aviso de greve... deu finalmente um sinal de que está com os árbitros e de que não está de acordo com os métodos de comunicação que alguns clubes têm vindo a utilizar"; declaração entendível como: "Agradecemos à Liga a ajuda dada na resolução de um problema por nós criado e que, reconhecemos, preservando a dignidade daqueles que representamos e em nome dos quais falámos, não saberíamos resolver." As razões aduzidas para a falhada paralisação conflituavam sobremaneira com o disposto nos artigos 37.º e 38.º da nossa "magna carta", atentando contra liberdade de expressão e informação, Imprensa e meios de comunicação social, cavalgando crescente tendência para reintrodução do lápis azul. Ao invés de anúncio de paralisação, seria mais sensato afirmação do género: "Os árbitros não se identificam com o ultimamente referido envolvendo a arbitragem. Esperamos e desejamos que as anunciadas investigações em curso sejam concretizadas e esclarecedoras, findas as quais, independentemente das conclusões, nos reservamos, nos termos do que vier a ser apurado, o direito de agirmos em conformidade com a lei."