Será possível?

Joel Neto

Tópicos

Será mesmo possível?

O que eu estranho, nesta fase, já não é a linguagem de Bruno de Carvalho. Bruno de Carvalho deixou-se escorregar para um regime de roda-livre e, agora, qualquer redução de tom, qualquer atitude de homem de Estado - no fundo, qualquer intervenção consentânea com a que deve ser a pose do presidente de um clube com dezenas de milhares de sócios e milhões de adeptos, com desafios exigentes e uma bomba nas mãos - poderia ser entendida como um recuo.

O que eu estranho é que, aparentemente, não haja ninguém no Sporting, entre titulares de órgãos sociais e funcionários de alto perfil, a quem esta linguagem incomode. Será mesmo possível que ainda não tenha havido um só a manifestar o seu desconforto por este tom? Será mesmo possível que ninguém exija ao menos que a direção de comunicação tenha uma palavra a dizer nas intervenções do presidente, quando estas vinculam tão claramente o clube?

Onde é que isto vai parar? Essa é a pergunta seguinte. Mas, se a resposta à primeira persiste a que parece, "Sim, está tudo confortável", a segunda fica parcialmente respondida: não vai parar em bom lugar.

SURFANDO A ONDA

Tudo corre bem a Sérgio

Posso perceber que, em abstrato, Lopetegui e Sergio Ramos estranhem a presença de Casillas no banco do FC Porto. O que já é mais difícil de perceber é que a estanhem quando, em concreto, o próprio guarda-redes elogia o treinador.

De cada vez que alguém se pronuncia, Sérgio Conceição vê reforçado o êxito da sua opção. Se o FC Porto se conseguir manter na frente da Liga, haveremos de identificar nela a semente do milagre.