Premium "O caso de Rui Pinto é demasiado paradigmático para o avaliarmos à luz de preferências clubísticas"

"O caso de Rui Pinto é demasiado paradigmático para o avaliarmos à luz de preferências clubísticas"

FORA DA CAIXA - Cronista Joel Neto comenta esta quarta-feira a extradição de Rui Pinto.

Ontem à tarde um amigo perguntou-me o que acho eu da extradição de Rui Pinto. Pude ver-lhe a deceção no rosto quando disse que não achava nada. Lembrei-lhe que não sou jurista, que tudo o que sei sobre a extradição, e sobre esta extradição em particular, é aquilo que leio na Imprensa. Achou que eu usava de um discurso retórico porque, no fundo, não estava a ver a importância da situação.

A verdade é que estava. E estou. O caso de Rui Pinto é demasiado paradigmático para o avaliarmos à luz de preferências clubísticas. Paradoxalmente, é isso que quase toda a gente está a fazer (e espera que os outros façam). Homens que sempre vi aplaudirem o caos exultam com este "triunfo da justiça" porque são do Benfica. Outros em quem nunca antes descortinei um gesto de liberdade lamentam a "lei da rolha" porque são do FC Porto ou do Sporting.