Premium "Até as equipas mais galácticas têm um fim, como o próprio Real já sabia"

"Até as equipas mais galácticas têm um fim, como o próprio Real já sabia"

FORA DA CAIXA - "O colapso do Real está a ser encarado como um triunfo de Ronaldo, ideia que ainda ontem Capello se encarregou de reforçar, mas é difícil garantir que isto não teria acontecido - isto ou parecido - com a presença do CR7 no Bernabéu".

NO SÍTIO CERTO
E à hora certa

O colapso do Real está a ser encarado como um triunfo de Ronaldo, ideia que ainda ontem Capello se encarregou de reforçar, mas é difícil garantir que isto não teria acontecido - isto ou parecido - com a presença do CR7 no Bernabéu. Eram demasiados anos de estabilidade, inclusive do plantel, e eram também demasiados a ganhar a Liga dos Campeões. Até as equipas mais galácticas têm um fim, como o próprio Real já sabia, e não seria fácil os merengues continuarem a encontrar sede suficiente para se manterem campeões, mesmo com o rei da vontade indómita no ataque. As únicas coisas de que podemos ter a certeza é que Ronaldo saiu no momento certo e esta debacle reforçou a mitografia à sua volta. Não é pouco, e nenhum dos grandes jogadores da história alguma vez se dispensou de transformar as coincidências em oportunidades. Digamos que Cristiano tem tido a arte de forjar a própria sorte, como aliás também prova a sua resistência às lesões. Aí tem estado o mérito supremo deste extraordinário percurso.