Premium Em Portugal? Cinco substituições, claro

Em Portugal? Cinco substituições, claro
Joel Neto

Tópicos

Como será em Portugal? Cinco substituições, claro. O que faz sentido do ponto de vista atlético. Mas faz ainda mais sentido à luz do facto de termos, por exemplo, transformado as meias-finais da Taça numa eliminatória a duas mãos

OLHAR O FUTURO
Os ingleses e nós

Ainda ontem falava aqui da escassez de esforços do futebol nacional - Liga à cabeça, acrescento - para reduzir as assimetrias e reforçar a competitividade (sobretudo) da Primeira Liga. Entretanto, os clubes ingleses acabam de decidir pelo não prolongamento da regra das cinco substituições, de modo a não privilegiar (sic) os plantéis com mais soluções e, por consequência, os clubes mais ricos. Como será em Portugal? Cinco substituições, claro. O que faz sentido do ponto de vista atlético. Mas faz ainda mais sentido à luz do facto de termos, por exemplo, transformado as meias-finais da Taça numa eliminatória a duas mãos. Objetivo: aumentar as probabilidades de os grandes chegarem à final. Isto é, e como de costume, proteger o espetáculo, mas não o jogo - proteger o presente, e o futuro logo se vê.

MAIS CLAREZA
O Sporting e a SAD

O jornal do Sporting é menos claro quanto à acuidade de uma venda da maioria do capital da SAD do que quanto à legitimidade dos órgãos sociais do clube para a decidirem sem a participação da assembleia geral. E pode-se percebê-lo, num contexto em que a viabilização do "i-voting" se tornou uma bandeira tão determinante - com justiça, devo frisar - para aquilo que hoje se pretende ser o Sporting do futuro. Mas os sócios assistem à penosa construção do plantel para a próxima época e tornam a perguntar-se: há saída assim? O tema da venda da SAD continua a precisar de um esclarecimento cabal. "Jamais se venderá" - é o mínimo.