Calem-se um instante!

Joel Neto

Tópicos

INSUPORTÁVEL

Calem-se um instante!

Chega-se a um ponto em que já não se pode. Porque é que o Sporting se sentiu na necessidade de se intrometer na troca de salamaleques entre Ronaldo e o Benfica? Por três razões. A primeira é estrutural: porque há muitos anos os leões são em primeiro lugar "sobre" o Benfica, um clube que funciona em função de outro. A segunda é conjuntural: porque ficou definido, algures naquele auspicioso outono, que, este ano, metade da época se jogaria no bate-boca. A terceira é do domínio do absurdo: porque ainda ninguém em Alvalade foi capaz de se abstrair das provocações de João Gabriel e perceber que a estratégia não está a resultar. Como sportinguista (para quê disfarçá-lo, se toda a gente sabe?), estou confortável com a primeira razão. Já nasci nesse tempo. Também cheguei a estar confortável com a segunda, pelo menos enquanto funcionou e não se ultrapassaram os limites da urbanidade. A terceira deixa-me atónito. O Benfica não citou a frase inteira de Ronaldo, nomeadamente o excerto em que este se dizia sportinguista? Não. Tal como o Sporting faria se Ronaldo se tivesse dito benfiquista. Simplesmente, não se pode passar nada que os tweeteiros leoninos não vejam através da lente do seu egocentrismo e da sua solidão. Classe? Classe era terem ouvido e calado. Enorme classe era terem aplaudido.

PICOS DA EUROPA

O endurance de CR7

Por todo o mundo se volta a falar de Ronaldo. É pena que CR7 esteja a atingir o pico agora, a dois meses do Europeu. Mas ele já provou que, às vezes, os seus picos não são picos: são planaltos.