As coisas boas ainda contam?

João Sanches

Tópicos

Renascido no V. Setúbal, Mikel Agu é um dos pontos salubres neste poluído campeonato. E há mais. O que falta é vontade de os escrutinar e relevar

1 - Comunicados e contracomunicados; processos por difamação; queixas-crime; reclamações; protestos; participações; ataques; acusações e contra-ataques; novas acusações - escritas, faladas ou sopradas; insinuações e algumas constatações... Uff! É neste ambiente irrespirável que tentamos ganhar fôlego para o restante da temporada - mais um mês, ou ainda mais um mês. Não há coisas boas? Existem, e nem é difícil descortiná-las, mas para isso terá de haver vontade de perscrutar aquilo que mais deve reluzir no futebol: os jogadores. A forma como, por exemplo, Mikel Agu, cedido ao Vitória de Setúbal - onde teve como fulcral suporte a confiança do técnico José Couceiro -, ganhou estofo e amadureceu para, mediante renovação de contrato - como O JOGO noticia -, ser aposta no FC Porto em 2017/18 é um dos pontos salubres deste campeonato. Mas há mais, basta querer escrutinar.

2 - A disciplina, ou a falta dela, é um dos elementos poluentes no futebol português, toldando visões e razões, marginalizando o que deveríamos tomar como essencial neste desporto que tantas paixões suscita e assanha. Como adepto dele, é impossível ser-se indiferente como pedra perante as notícias de celeridade das resoluções que nos chegam do futebol inglês. Mal expulso no sábado, Niasse (Hull City) teve ontem o castigo revogado.