O que significam Taremi e Coates

João Araújo

Tópicos

Protagonismo do iraniano e do uruguaio traduzem os desempenhos das respetivas equipas. Tem agora a palavra o Benfica. Ou será o Vizela?

No topo da tabela da I Liga, o que vai de nona jornada tem dois nomes próprios, Taremi e Coates. E tudo o que representam, ou melhor, nos transmitem sobre os triunfos de FC Porto e Sporting que deixaram o Benfica contra as cordas e tendo como única opção ganhar hoje, em Vizela.

Falar de Taremi e do seu hat trick em Tondela é olhar para um jogo em que os dragões tiveram a calma e, mais importante, a consciência dos argumentos que possuíam para dar a volta ao golo inicial da equipa da casa, acentuados após a expulsão de Undabarrena. Essa confiança traduz a personalidade, maturidade e bom momento de uma equipa. E, transportando esta ideia para o caso do goleador iraniano, revela bem a evolução deste nos mais variados aspetos do jogo (reflexo do trabalho do treinador) - depois de várias semanas em que os elogios recaíram sobre a capacidade de recuar, construir jogo ofensivo e lances de golo, eis que Taremi fez questão de recordar que é um goleador, daqueles que nos levam a dizer que "apareceu no sítio certo" só porque qualquer sítio é bom para faturar!

Alvalade voltou a assistir a uma vitória dos leões pela margem mínima e novamente Coates a vestir a pele do "matador". O sofrimento também é um modo de vida para quem quer andar nos primeiros lugares e ninguém melhor do que o Sporting de Rúben Amorim sabe disso. Foi assim na época passada, a do fim do jejum de títulos, e neste campeonato foi o quinto triunfo pela margem mínima, terceiro por 1-0. Também vale, e muito!
O que nos leva à viagem do Benfica a Vizela, a equipa que nunca perdeu em casa recebe a que nunca foi batida fora. O impasse estatístico é um detalhe perante a realidade: o Vizela é mais uma equipa desta liga que tem um futebol positivo e bons intérpretes; o Benfica precisa de encontrar a saída do mau momento, sobretudo para mostrar que a goleada do Bayern foi mesmo "fora da caixa" e não se ver atrás dos rivais, o que pesará bem mais do que Gnabrys e Sanés.