Regresso ao trabalho e proposta incoerente da CBF: "Clubes de São Paulo partem prejudicados"

Regresso ao trabalho e proposta incoerente da CBF: "Clubes de São Paulo partem prejudicados"
Jesualdo Ferreira

Tópicos

TÁTICA DO PROFESSOR - Opinião de Jesualdo Ferreira

1 - Numa iniciativa que é de louvar e que todos agradecemos, a Federação Paulista autorizou que as equipas de S. Paulo antecipassem em uma semana o regresso aos treinos. Oficialmente, recomeçaremos a 1 de julho, mas esta antecipação permitiu que os nosso atletas se adaptassem a uma nova realidade, readquirissem paulatinamente níveis físicos, no fundo, que se preparassem para o novo arranque da temporada - tudo isto depois de cumpridos e respeitados escrupulosamente todos os protocolos exigidos pelas autoridades sanitárias.

Foi uma semana de trabalho sem bola, só para avaliarmos os diversos itens e as condições em que estão os jogadores. E foi com agrado que concluí que os jogadores regressaram ao nível do peso, da massa gorda e da disponibilidade em excelentes condições, o que significa que, durante estes três meses e meio de paragem, foram excelentes profissionais. E esse é um motivo de agrado e de orgulho até.

Estou muito contente com este facto. Mas, atenção, quando voltar a competição, dificilmente estarão nos níveis em que estavam antes da pandemia, e muito menos se a CBF insistir em começar o Brasileirão a 8 e 9 de agosto. É que ainda faltam seis jornadas do campeonato paulista, o que significa que se for essa a data teremos menos de quatro semanas para nos prepararmos.

Mais: como já escrevi na semana passada, há outras zonas do país onde os clubes já estão a trabalhar há mais tempo. Inevitavelmente, haverá uma desigualdade nas condições das equipas, o que não me parece nada correcto. O problema é conhecido e já foi levantado. Se a CBF insistir nessas datas, os clubes de S. Paulo partem prejudicados. Isto preocupa-me, claro, e nem me parece que tenha havido coerência nesta proposta.

2 - Ao fim de 30 anos o Liverpool sagrou-se campeão de Inglaterra. Os mais novos não saberão a importância que o clube teve nos anos 80 e o muito que ganhou. Conquistar agora este campeonato é uma lição para todos nós, uma lição de persistência, de crença, de confiança.

Jurgen klopp, que tem muito a ver com este sucesso, entrou no clube na época 2015/16, ou seja, esteve quatro épocas sem conquistar nada; na última época ficou a um ponto de ser campeão. Em quantos clubes do mundo isto acontece? Apesar do vazio de conquistas, os donos do clube, os seus fantásticos adeptos, continuaram a confiar no trabalho do treinador e dos jogadores; agora, colhem os frutos. Já na última época, o Liverpool conquistou a Champions, a Supertaça e, mais recentemente, o Campeonato do Mundo de Clubes, Agora, conquistou o campeonato inglês. É um exemplo para muitos clubes, até portugueses... que não têm esta persistência, esta crença, esta confiança.

3 - Também é de confiança que o Benfica precisa. O mau momento que a equipa está a atravessar, e que foi acentuado com a derrota com o Santa Clara - e porque assim deixou o fugir o FC Porto na luta pelo título - exige, acima de tudo, bom senso que evite precipitações e a tomada de medidas radicais.

Faltam seis jornadas e os jogadores terão que ser os primeiros a não deitar a toalha ao chão. Claro que dentro do actual contexto, ultrapassar com êxito o Marítimo, na Madeira, será fundamental. Uma derrota, um empate até, poderá ser fatal.