Premium Olhando a sério para os jovens valores

Olhando a sério para os jovens valores

TÁTICA DO PROFESSOR - "Mais um ano e, de novo, um grande número de atletas estrangeiros a entrar em Portugal, a grande fatia vinda do Brasil. É uma realidade que não se altera, porque não há vontade para isso"

1 - Com o aproximar do início da nova época, os plantéis começam a ficar completos e vão chegando os novos jogadores, escolhidos, naturalmente, pelos treinadores em sintonia com as Direções dos clubes e de acordo com os orçamentos estabelecidos. Mais um ano e, de novo, um grande número de atletas estrangeiros a entrar em Portugal, a grande fatia vinda do Brasil. É uma realidade que não se altera, porque não há vontade para isso, porque em causa está também o aproveitamento que (não) se faz dos jovens futebolistas, isto sem pôr em causa nem a opção pelos jogadores estrangeiros, nem a sua qualidade, embora saibamos que há muitas apostas que saem furadas, ou porque a adaptação a um futebol diferente daquele a que estão habituados não corre bem, ou simplesmente porque foi feita uma má avaliação e a qualidade do jogador contratado acaba por não se confirmar. A FPF criou na última temporada uma nova competição, a Liga Revelação, destinada a jogadores que tenham até 23 anos de idade. É uma oportunidade para as equipas colocarem em competição jogadores que, sem isso, seriam excedentários. Há ainda as equipas B, que participam nas competições profissionais mas que até acabam por se confundir com as equipas da Liga Revelação. Estas competições são boas, são salutares, são oportunidades para os jovens futebolistas.

A questão é: que aproveitamento fazem os clubes desses jovens valores? Na época de estreia foi o Aves que venceu a competição, quando o expectável seria que fosse o Benfica ou o Sporting. Porque é que ganhou o Aves? Se calhar porque canalizou todos os seus jovens valores para essas equipas e não teve de dispersá-los pelas equipas B, como fez o Benfica, por exemplo.