Exclusivo Romper com obsoletas tradições: um bom princípio

Romper com obsoletas tradições: um bom princípio
Jaime Cancella de Abreu

A JOGAR FORA - Uma opinião de Jaime Cancella de Abreu

1 - Apreciei a fórmula minimalista da apresentação da candidatura de Rui Costa, que espero seja mote para o (mais do que certo) futuro exercício do cargo: comedido nos meios, parco nas palavras, dispensa de "espetáculo" para encher as reportagens dos media, economia de custos.

Que esqueça também a clássica Comissão de Honra - uma feira de vaidades para sessões de apresentação e jantares de encerramento - e a tradicional lista de apoio de ex-jogadores e outros figurões - com a qual esmagaria qualquer opositor, mas cuja exibição não acrescenta mais-valia alguma à sua ação futura, que é o que nos importa.

2 - Não apresentou Rui Costa programa nem listas. Confesso que do programa não sinto especial falta - mais ainda do que na política, os programas pouco mais são nos clubes do que bem produzidas brochuras com promessas eleitorais (que jamais são cobradas). Já as listas indicarão que renovação pretende fazer - e isso já me interessa sobremaneira. As declarações tornadas públicas por Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, somadas aos oportunos silêncios de Rui Costa, indiciam que o processo estará a ser bem conduzido - não deixando também espaço para venenosas especulações.

3 - Do curto discurso de Rui Costa retive a frase que apontou "a proximidade com os sócios e todos os nossos adeptos" como um dos seus principais objetivos. O fim do ciclo de Luís Filipe Vieira, pronunciado antes mesmo do Ministério Público o ter provocado, teve também a ver com a forma como o ex-presidente foi progressivamente "trocando" o povo benfiquista pelas elites dos negócios do futebol. As duas tarefas são tão necessárias quanto compatíveis, pelo que espero que Rui Costa saiba encontrar o ponto de equilíbrio entre elas.

4 - Gostei de saber que os meios do Benfica, nomeadamente a BTV, estarão ao serviço de todas as candidaturas, e que Rui Costa está disponível para participar em debates. Melhor ainda: do resultado das reuniões com Francisco Benitez, seu provável (e único) opositor, saiu fumo branco quanto aos procedimentos eleitorais. Foi bom para as partes, mas foi, acima de tudo, bom para o clube. Que no futuro continuem a agir sem que um esteja permanentemente no ponto de mira do outro.

5 - Comemoraram-se esta semana 15 anos do Benfica Campus. O "vieirismo" também foi isto, ou, melhor dizendo, os dezoito anos de "vieirismo" foram acima de tudo isto: investimento forte em infraestruturas e equipamentos para (1) dotar os profissionais do clube com tudo o que de melhor e mais moderno existe e (2) colocar a formação no topo da lista das opções estratégicas para o presente e o futuro do clube. Esteve bem Rui Costa quando fez, sem tibiezas e sem favores, o reconhecimento do trabalho que nesta matéria tão importante foi desenvolvido pelo seu antecessor.