Exclusivo Becos com e sem saída

A JOGAR FORA - Um artigo de opinião de Jaime Cancella de Abreu.

1 Tanto o bajulou publicamente - no privado não quero nem imaginar -, que, aqui chegados, Fernando Santos não tem como tirar das convocatórias, ou sequer meter no banco, o todo poderoso capitão que atira braçadeiras para o chão.

Por seu lado, Ronaldo, do alto de um ego que jamais o deixará cair na real, já se auto convocou para o Mundial que aí vem e - todos vimos e ouvimos - para o Euro 2024 também. Parece um beco sem saída, mas não é: basta que expliquem ao selecionador, que se considera mais gestor do que treinador, que o ciclo acabou (na verdade, já lho deviam ter explicado há um bom par de anos...), lhe paguem a rescisão do contrato e, de caminho, chamem um treinador estrangeiro, com qualidade e estatuto, que se esteja a borrifar para o "peso" que Ronaldo tem no balneário e no "business" da FPF.

2 Um órgão - refiro-me ao Conselho de Disciplina da FPF - que toma decisões incompreensíveis a cada vez que reúne, que se desprestigia a si próprio e ao futebol português pela forma como insiste na prática do absurdo jurídico, que continuadamente se notabiliza pela desigualdade das penas que aplica, e que, destas e de outras formas, contribui decisivamente para a inverdade desportiva das competições, não pode, tem o Benfica toda a razão, continuar em exercício de funções. Parece um beco sem saída, mas não é: basta que coloquem a justiça e a disciplina fora da alçada da FPF e da Liga, que as entreguem a um órgão profissionalizado e independente, devidamente enquadrado e auditado.

3 As paragens para as seleções servem para descansar e recuperar jogadores, é facto, mas também para interromper dinâmicas às equipas que as têm - e era este o meu principal receio para o jogo de Guimarães, mais, claro, o árbitro Rui Costa, que ao intervalo já tinha conseguido descortinar... 22 faltas! (No final foram 39.) Não é mesmo possível jogar-se com intensidade na nossa liga - e este, sim, é um verdadeiro beco sem saída. No final, o empate a zero mais do que se justifica pela incapacidade das equipas criarem oportunidades claras de golo, quanto mais concretizarem-nas! (Entretanto, Taremi vai fazendo escola - se não observem a forma como Safira cavou um penalti a Rui Costa, naturalmente revertido pelo VAR, para o que bastou que este estivesse minimamente atento.) Um agradecimento final às boas gentes da Casa do Benfica de Grândola, onde vi o jogo, porque o Benfica fora de casa vê-se... nas Casas do Benfica!