Premium Ibrahimovic vai voltar a Itália por causa de Cristiano Ronaldo

Ibrahimovic vai voltar a Itália por causa de Cristiano Ronaldo

VISTO DE ITÁLIA - Ibra em Milão é uma espécie de Deus na terra e o Milan vai acolhê-lo de braços abertos em janeiro para reforçar o ataque, ao lado de Higuaín. Uma dupla que promete ameaçar o CR7, Dybala e companhia.

Zlatan Ibrahimovic quer voltar a Itália para desafiar o protagonismo de Ronaldo naquele que sempre foi o seu reinado. Ibra em Milão é uma espécie de Deus na terra e o Milan vai acolhê-lo de braços abertos em janeiro para reforçar o ataque, ao lado de Higuaín. Uma dupla que promete ameaçar o CR7, Dybala e companhia. Aliás, o primeiro confronto entre os dois já tem data marcada: é no dia 16 de janeiro, na final da Supertaça italiana entre Juventus e Milan. Aos 37 anos de idade mas ainda em ótima forma - prova disso são os 22 golos que já marcou esta época pelo LA Galaxy -, Ibra quer demonstrar que ainda está ao nível do CR7. A rivalidade entre os dois foi quase sempre vivida à distância e mais sentida pelo jogador sueco, autor de frases como estas sobre o capitão da seleção: "É um jogador construído"; "Alguns jogadores precisam da Bola de Ouro para se sentirem confiantes, não é o meu caso", ou "O verdadeiro Ronaldo era o Fenómeno".

Em campo, os dois só se cruzaram no mesmo campeonato na época 2009/10, mas desde muito cedo o brilho de Ronaldo começou a incomodar Ibrahimovic. Os dois partilharam o mesmo patrocinador e, em 2008, o sueco ficou furioso com a Nike por a marca ter destinado umas chuteiras especiais a Ronaldo, para usar com Portugal no Europeu, e ter pedido a Ibra que usasse o mesmo modelo que todos os outros atletas representados pela marca. Pedido recusado. O avançado queria ser uma referência para a empresa, algo que Ronaldo sempre foi e ele não. Mais um detalhe deste duelo vivido à distância que teve o seu ponto mais alto em novembro de 2013, no play-off de acesso ao Mundial. Na Suécia, o CR7 cancelou os dois golos do avançado com um hat trick histórico que levou Portugal à prova. Em termos de títulos, o confronto entre os dois é, sem dúvida, favorável ao português em números de Champions (5-0), Bolas de Ouro (5-0) e títulos com a seleção (1-0). Ibra conquistou mais campeonatos (5-11), mas destaca-se principalmente pela espetacularidade dos seus golos. Basta ver uma das suas compilações para perceber que o Prémio Puskás bem poderia chamar-se Prémio Ibra. O regresso de Zlatan fará bem ao campeonato italiano, que hoje vive só do CR7 de manhã à noite. Quando não há Messi, há Ibra.