Opinião

PremiumClaudia Garcia

Racismo no futebol: sigam o exemplo do Nápoles, abandonem todos o jogo 

Continuo a achar que a Itália está um passo à frente dos demais no combate a algumas injustiças desportivas. Na arbitragem, foi dos primeiros países a implementar o VAR e a aceitá-lo. Há mais de uma década que combate a corrupção e o problema das apostas no futebol, dando a sensação errada de que estes crimes só acontecem em Itália. Agora, Carlo Ancelotti e o seu Nápoles indicam um possível caminho para combater este grande problema que é o racismo no futebol. Os adeptos e os jogadores do Nápoles são constantemente alvo de coros, canções e faixas racistas nos estádios. Principalmente no norte do país. No último jogo em Bérgamo, contra o Atalanta, os jogadores ameaçaram abandonar o relvado em caso de sons a imitar macacos ou outros insultos semelhantes. Em Bérgamo, não foi necessário, mas o clube está convencido de que quando voltar acontecer, os jogadores devem fazê-lo. Ancelotti é o cabecilha desta ideia que foi amadurecida nos últimos anos perante a incapacidade de os órgãos que gerem o futebol resolverem o problema. "Vamos parar de fazer de conta que somos surdos?", é o mote lançado pelo treinador, e que me agrada cada vez mais.

PremiumClaudia Garcia

André Silva não teve o tempo de Cristiano Ronaldo

André Silva marca, marca e marca, não só aos clubes "fraquinhos" da Liga Europa, como se queixavam os adeptos do Milan, mas agora até ao gigante Real Madrid. Depois de um hat trick na estreia com o Sevilha e de um golaço à seleção italiana, vê-lo agora bisar frente aos merengues é demasiado duro para os adeptos rossoneri, que deste lado veem um Milan cinzento como sempre e arrependem-se das críticas endereçadas ao português. Faltou tempo e paciência. Pois é. É tarde. O ex-avançado do Milan agora lidera a tabela dos melhores marcadores de La Liga e anda feliz da vida nos 40 graus de Sevilha, enquanto em Milão, as exibições do clube são tão frias como marca o termómetro.