Exclusivo Kyrgios é o último Bad Boy, um espécime em extinção

Kyrgios é o último Bad Boy, um espécime em extinção

FOLHA SECA- Opinião de Carlos Tê

O Bad Boy é um espécime em extinção. Sem ele, o desporto espelha a sua superfície brilhante e essencial, focada na competição e nas regras, como deve ser. No entanto, sem ele, parece faltar qualquer coisa. No grande prémio de F1 da Áustria, Verstappen e Hamilton foram exemplares na censura à conduta do público, que festejou despistes dos rivais e inundou as redes com comentários alarves e invulgares na F1. A FIA ameaçou tomar medidas como reduzir a venda de álcool nas bancadas.

Na final do Grand Slam de Wimbledon, o tenista australiano Nicky Kyrgios também censurou o público, mas apenas para exibir a sua plumagem de Bad Boy, disparatar com o que lhe desse na gana, pôr em alvoroço a paz snobe do court. Começou por imbicar com uma espectadora barulhenta que o desconcentrava - ébria, segundo ele. A organização removeu-a da cadeira, apesar de, segundo ela, só ter bebido um copo de vinho. Seguiram-se resmungos, protestos, incluindo contra a sua própria comitiva, que acusou, por gestos e palavras abundantes, de distraí-lo com indicações que só o atrapalhavam. Metódico e frio, o sérvio Djokovic golpeou-o sem dó e arrebatou o torneio.